SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sexta-feira, 23 Outubro 2020, 11:28

Urgente rever o Empreendedorismo

“José Avillez fecha três restaurantes em Lisboa”. É este o título da notícia que tem sido partilhada por muitos no Facebook nos últimos dias. O que me choca são os comentários de condenação de muitas pessoas que se revoltam contra esta deci- são. Choca-me, sobretudo, porque mais uma vez encontro indícios de falta de formação real em empreendedorismo no nosso país. Existem inúmeros programas de empreendedorismo que são desenvolvidos em muitas escolas e incubadoras. Enchemos o nosso país, as nossas notícias com esta palavra que, acredito, tem sido das mais utilizadas nos últimos anos. Mas estará o empreendedorismo a ser bem ensinado? Não creio. Antes de mais, o empreendedorismo aparece quase sempre associado à criação de negócios. O empreendedorismo é muito mais do que criar uma empresa. Começa num trabalho de desenvolvimento pessoal e auto-conhecimento. Como podemos incitar jovens a abrir empresas, sem antes lhes ensinarmos a falar em público, a respeitar hierarquias, a escrever e a estar em reuniões? O empreendedor é mais do que um empresário. É alguém que empreende, mas antes de mais na sua pessoa. É alguém que aprende diariamente a superar-se a si mesmo, antes de querer superar os outros. No empreendedorismo, em tantos programas que por aí circulam, esquecem-se de ensinar uma das coisas mais importantes: a falhar, a aceitar a falha e a aprender com ela. Nos comentários de reação à notícia do chef Avillez, espelha-se essa falha nos nossos programas de empreendedorismo. O empresário empreendedor (um empresário não é sempre um empreendedor) tem o direito a fechar as suas empresas, a descobrir novos caminhos e a mudar o rumo. Seja por que motivo for. E nem sempre isto é motivo de falha ou fracasso. Porque é que os adultos que comentam estas notícias se exprimem de forma tão revoltada contra alguém que tem o seu negócio? Ninguém é obrigado a abrir empresas, e ninguém é obrigado a trabalhar por conta de outrem. Em vez de se apontar o dedo e condenar os outros, que se comece a olhar para dentro de si. E a aprender a crescer. Esta sim, é uma das bases para se ser empreendedor.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados