SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Domingo, 13 Junho 2021, 14:24

Uma viagem na Moda Renascentista

Este ano, a Feira de Época de Torres Novas decorre de 30 de maio a 3 de junho. São 5 dias de aventura, cenários maravilhosos, animação ao rubro. Todos os anos, a organização esmera-se e seleciona um tema diferente. Por um lado, diversifica-se a oferta. Por outro, dignifica-se sempre uma personagem histórica que esteve relacionada com a cidade de Torres Novas. Este ano, o tema é «A Salvação do Corpo – Mestre António, físico-mor de D. João II» e dá-se lugar à recriação dos mais importantes momentos do passado de Torres Novas. O Mestre António é o nome por que ficou na história este médico a quem os cronistas chamam fisiquo e solorgiam. De origem judaica, nasceu em Torres Novas no bairro da judiaria, onde hoje se situam a rua Atriz Virgínia, largo da rua Nova e rua Nova de Dentro (Santiago). Físico-mor de D. João II, dele foi também afilhado. Além de físico, tinha bons conhecimentos de filosofia, matemática e história, e foi autor de diversos textos. Este ano, a Feira de Época faz-nos viajar até à Idade Moderna, o Renascimento. O Renascimento foi marcado por diversas mudanças ocorridas na Europa, pelo desenvolvimento do comércio e das cidades, pela expansão marítima e por um intenso movimento cultural. Os europeus acreditavam que viviam numa nova era, livres da Idade das Trevas (por que ficou conhecida a época Medieval), iluminando-se vontades e mentes, nascendo artistas sedentos de expressar este renascimento de todos, a todos os níveis. A Feira de Época deste ano retrata isso mesmo: Depois da descoberta do mundo e dos prodígios e maravilhas dos povos, nesta edição olha-se para o que é humano e já nada é estranho. Renascem saberes: físicos e cirurgiões percorrem o corpo e desvendam um outro mundo em que as desordens precisam, afinal, da mão humana. Mestre António, judeu de Torres Novas e cirurgião da corte em finais de quatrocentos, vem à vila mostrar as novidades da arte de sarar feridas e curar os males. Eram tempos de mudança, de expressar a luz que caía na vida de todos. Esta mudança refletiu-se também nos trajes e na moda. Foi no Renascimento que surgiu o conceito de moda, pois, nesta época, os nobres encomendavam aos pintores desenhos de roupas para festas. Os nobres da corte de Borgonha (na França) sentiam-se incomodados com as cópias das suas roupas que a classe social mais abastada, os burgueses. Por esse motivo, começaram a diferenciar cada vez mais os seus trajes, criando, assim, um ciclo de criação e cópia. Surge a primeira burguesia e uma grande melhoria na qualidade da matéria-prima. Espelhando uma sociedade rica e iluminada, as roupas passam a ostentar aplicações, bordados e peles. A altura dos trajes sobe e é marcada logo abaixo do busto, alongando a silhueta. As formas, de modo geral, vão ficando arredondadas, perdem a verticalidade gótica, expandindo-se lateralmente, procurando horizontalidade. Das rotas do comércio marítimo asiático vêm as sedas, os brocados, novas técnicas de tingimento, perfumes, joias. Em Itália, por exemplo, a moda renascentista era simples mas ostentavam-se tecidos luxuosos, joalharia elegante e cores brilhantes. Por volta de 1450, os vestidos femininos passaram a ter a parte de cima separada da saia e nasciam os primeiros corpetes. Confesso que adoro calças de ganga e um estilo casual chic, mas se pudesse viajava no tempo para experimentar um destes vestidos… Nem que fosse só por um dia… Vou aproveitar os 5 dias da Feira de Época de Torres Novas, na qual, entre a recriação histórica, podemos participar em diversas atividades lúdicas, assistir a performances musicais e teatrais, cruzarmo-nos com diversas personagens, percorrer a mouraria, um universo de cores e de cheiros ímpares. Podemos empunhar espadas na praça d’armas, entrar no submundo dos enfermos e desvalidos no Postigo da Traição (acreditem, a recriação neste local surpreende-nos sempre com alguns sustos), conhecer outras histórias no Paço dos Robertos ou provar iguarias numa das muitas bodegas da feira.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2021 © Todos os direitos reservados