SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sábado, 15 Agosto 2020, 11:32

De regresso ao trabalho

“Neste momento o que nós vamos começar é outra forma de viver e de trabalhar” 
Matilde Duarte

A catorze de março, devido à pandemia que chegou sem avisar, Matilde Duarte, proprietária do salão de cabeleireiro Matilde Duarte Cabeleireiro e Estética, consciente do perigo que a Covid-19 representa, informou as suas colaboradoras que iria manter fechado o salão por tempo indeterminado.

“foi tudo muito repentino mas mentalizei-me logo de que ia fechar o cabeleireiro. Cheguei às quatro horas da tarde e disse – meninas, considerem-se em casa. Vamos fechar.” 

A realidade alterou, iriam ser vividos momentos difíceis mas Matilde Duarte nunca se sentiu completamente sozinha. É de salientar que durante o tempo em que manteve as portas encerradas, mesmo vivendo todas as consequências inerentes à atual situação, sempre foi extremamente apoiada pelo grupo L’Oréal: “a L’Oréal tem sido um parceiro incansável, de uma dedicação, disponibilidade e apoio incalculável. Não houve quase dia nenhum que não tivéssemos formação online com o intuito de nos esclarecerem sobre a gestão de negócios, sobre a Covid-19 ou sobre as medidas a tomar no futuro.

” O tempo não custou a passar porque nos sentimos sempre muito apoiados.” Entretanto, a partir do dia dois de maio, por decisão do Primeiro-Ministro, António Costa, com o parecer favorável dos parceiros sociais, ainda que com algumas reservas, terminou o estado de emergência em que vivia o país e foi apresentado o plano de desconfinamento devido à Covid-19 e o plano para a reabertura gradual da atividade económica aprovados no Conselho de Ministros.

Foi, assim, anunciada  a reabertura dos cabeleireiros entre outras atividades e Matilde Duarte, para minimizar os riscos, preparou rigorosamente a chegada desta nova fase da sua vida
profissional adotando medidas rigorosas de higiene e segurança, cumprindo todas as indicações das autoridades de saúde.  Entre as medidas delineadas inclui-se a imposição de um número limitado de clientes para que seja possível cumprir as indicações de distanciamento social.

Assim, afirma Matilde Duarte que “o salão passa a funcionar com metade das cadeiras que tinha. A trabalhar estarão quatro cabeleireiras mantendo a distância segura exigida”. Para além disto, o acesso aos serviços será feito apenas por marcação o que permitirá o mínimo de pessoas no interior do cabeleireiro.  Em relação ao espaço também serão cumpridas todas as regras de limpeza, higienização e desinfeção.

Matilde Duarte explica que “para cada zona de trabalho haverá um caixote do lixo forrado, material de limpeza, desinfetante de mãos e do material de trabalho.

Cada funcionária terá a sua roupa de trabalho descartável e cada estação de trabalho tem de ser higienizada com a responsabilidade da pessoa que a usou. É, ainda, obrigatório o uso de luvas, máscaras cirúrgicas e óculos ou viseiras de proteção.

” Em relação aos clientes é pedido que leve o mínimo possível de objetos para dentro do estabelecimento e que usem máscaras descartáveis –“tem de haver muito civismo, compreensão e bom senso por parte das clientes”.  Matilde Duarte diz, ainda, que a sala de espera não pode funcionar, não haverá revistas e os cortes de cabelo terão de ser escolhidos no iPad. 

Vivemos tempos diferentes e Matilde Duarte conclui dizendo que “vamos começar outra fase. Neste momento o que nós vamos começar é outra forma de viver, de trabalhar. Nada vai ser como era. Naquele dia em que meti a chave na porta às quatro da tarde foi um dia, dia quatro de maio é outro. Vai ser outra fase, outra etapa. É como se virasse uma página e vamos começar de outra forma. Temos de ter consciência. Não são os mais ricos que vencem mas sim os que se conseguem adaptar”.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados