SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sábado, 11 Julho 2020, 01:43

História do Centro de Assistência Paroquial de Pedrógão em livro

 

“Centro de Assistência Paroquial de Pedrógão – Percurso de uma Instituição de Solidariedade (1950 – 2010)”, de Maria Isabel Geada é um livro que narra a épica história da boa vontade no Pedrógão. O livro foi apresentado pela autora e pelo Pe. Mário Taglialatela, o Presidente da instituição, no Domingo, dia 29 de Agosto, perante uma sala cheia de amigos e bem feitores.

 

Contou Maria Isabel Geada a “O Almonda” que o livro surgiu a pedido do Pe. Mário Taglialatela com o propósito de assinalar os 60 anos do Centro. Aceite o desafio a autora pesquisou todas as fontes que tinha ao seu dispor, desde os arquivos da casa, a testemunhos vivos, como às peças jornalísticas saídas em “O Almonda” na época, para levar a bom porto a tarefa. Recorda o livro como o Pe. Abílio pediu uma casa emprestada em 1950 para dar apoio às crianças da aldeia e como também ele, com ajuda de voluntários, fez nascer aquela instituição.

 

Em 1953 a casa foi comprada por 90 contos, tendo também sido comprado na mesma altura um terreno anexo. O Pe. Abílio, que também marcou presença no lançamento do livro, contou a “O Almonda” porque razão se lançou a fazer aquela obra. Disse que naquele tempo o Pedrógão tinha muitas famílias que migravam, fosse para Lisboa ou para o estrangeiro. Deixavam para trás os pais e os irmãos e vinham à terra de tempos a tempos, trazendo alguns víveres que julgavam durar até uma próxima visita. Acontecia muitas vezes que esses víveres não chegavam e que as pessoas no Pedrógão passavam muitas vezes fome. Foi por isso que o Centro nasceu, por causa da pobreza. O Pe. Abílo ia a Torres Novas às mercearias e pedia «aqui e acolá», pedindo também muitas vezes na Farmácia Lima as amostras dos medicamentos para o posto de primeiros socorros que existia no Pedrógão.

 

Guilhermina Pacheco, que se encontrava sentada ao lado do Pe. Abílio, não se cansou de o elogiar, testemunhando muitas das dificuldades e conquistas daqueles anos, e recordou os 10 anos que o Pe. Abílio passou no Pedrógão, «foram dez anos cheios e com muitas iniciativas», completando, «foi o homem que começou a dar vida ao Pedrógão», e justifica a afirmação, «todos os que trabalharam com ele ganharam capacidade para se desenvolver e ter um futuro».

 

Luís Miguel Lopes

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Ler Mais...
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados