SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sábado, 11 Julho 2020, 00:18

Feira de Velharias – Uma lição de História

 

Realizou-se neste último domingo, mais uma feira de velharias e verdadeiras antiguidades. 

 

Com um olhar atento é curioso descobrir a cada passo e de vendedor em vendedor a diversidade de objectos, desde os mais pequenos alfinetes de dama, até à gigantesca balança de cobre. Garrafas, livros, muitos livros, exemplares únicos de colecções preciosas, a preços que só algumas bolsas podem pagar, bijutaria, porcelana, cassetes de vídeo, canas de pesca, jarrinhas e jarrões, candeeiros a petróleo, candeias de azeite, rádios que os mais novos dificilmente reconhecerão como tal. Talhas de azeite, as famosas panelas de ferro de três pés onde a comida era cozinhada em cima das brasas, e tinha de certeza outro sabor. Mais à frente uma concertina e um fole gigante, a mala de viagem com várias décadas de vida e o cesto da merenda em verga. Cadeiras que pareciam senhoriais e os mais diversos utensílios usados antigamente na agricultura. Uma espécie de chuveiro, chamou-me particularmente a atenção. Trata-se de um pequeno depósito, pouco maior que um balde que afunila num cano com buracos por onde sai a água “a fazer de conta” que de um chuveiro se tratava. O banho, esse teria de ser à pressa, dada a escassez da água que depressa se acabaria. Os lavatórios em porcelana e em suportes de ferro. Ah! Não podia faltar a colecção dos célebres pratos do cavalinho. Enfim, seria um nunca mais acabar de descrever as curiosidades que ali estavam expostas e que me obrigavam a abrir um sorriso, pela diferença que fazem, afinal num tão curto espaço de tempo.

 

A manhã estava agradável e o calor não era demasiado, no entanto os vendedores eram em maior número que os visitantes. A esplanada mesmo ali ao lado tinha bem mais clientela.

 

“As pessoas regateiam, querem as coisas dadas”, dizia Carlos Alberto Vieira. Nascido e criado em Torres Novas dedicou-se há pouco a este negócio “para não deitar para a reciclagem, que é pena”, conclui.

 

“O negócio está muito fraco, diz Isabel Veludo que veio de Santarém, “talvez por as pessoas estarem de férias, isto hoje está fraquíssimo.”

 

A Celeste Lopes e a Maria dos Santos não perdem uma Feira, “recorda-nos a nossa infância e sempre se compra alguma coisa engraçada”.

 

Célia Ramos

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Ler Mais...
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados