SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Segunda-feira, 28 Setembro 2020, 12:52

No centro histórico contaram-se histórias da memória coletiva

p1_recriacao_grd

Inserido no programa de educação para o desenvolvimento da dança contemporânea da Associação Cultural O Corpo da Dança, de Torres Novas estão diversos projetos na área da coreografia. Integrado nesta estratégia de desenvolvimento da dança, a associação promove também a ligação entre os seus alunos, a sua terra e a sua história.

Foi a pensar neste projeto coreográfico realizado fora de palco que o centro histórico da cidade de Torres Novas surgiu como o local sugestivo para uma apresentação de vivências e histórias que afinal formam a memória coletiva.

Esta partilha de memória foi precisamente o ponto de partida para ir ao encontro de alguns comerciantes das ruas Alexandre Herculano e Rua Miguel Bombarda, através da ACIS, assim como do Posto de Turismo da Câmara Municipal de Torres Novas, da Biblioteca Gustavo Pinto Lopes e do Teatro Virgínia.

Assim se deu nova vida a estas duas ruas no sábado, dia 20 de julho. Foi um dia de grande animação e dinamismo dedicado ao espetáculo e ao comércio. Desde cedo as bancas tinham sido Presente esteve também uma banca com exposição e venda de artesanato, da responsabilidade do Posto de Turismo da CMTN, assim como a Biblioteca Gustavo Pinto Lopes teve uma banca de livros e Contos Encenados.

Em paralelo, foram apresentados dois espetáculos de rua coreografados por Marta Tomé.

De manhã a Rua Miguel Bombarda foi palco para a apresentação do espetáculo “Terra-Chão” e ao final da tarde, foram dezenas de pessoas que se juntaram na Rua Alexandre Herculano para assistir ao segundo espetáculo, desta vez, “Memória Coletiva”.

“Terra-Chão: Aqui, para a rua, trata-se de um excerto adaptado de um espetáculo com o mesmo título, que foi co-produzido pelo Teatro Virgínia e Marta Tomé em 2010. É uma peça de dança contemporânea com música original de Vasco Ribeiro Casais, um extraordinário músico que conheci precisamente aqui em Torres Novas num concerto dos Dazkarieh, banda que o mesmo lidera. Na altura falei-lhe de alguns projetos que tinha em mente e ele atirou-se de cabeça imediatamente a estes projetos e alguns meses mais tarde estávamos a trabalhar em Terra-Chão. Esta peça aborda uma viagem imaginária de três velhas à sua juventude. Sem falarem, dialogam entre olhares, devaneios e danças. Há ainda um recordar da rotina diária através dos objetos que as mesmas vão usando ao longo da peça”, explicou Marta Tomé a O Almonda, quando lhe perguntámos a história deste espetáculo.

Célia Ramos

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados