SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sábado, 8 Agosto 2020, 10:49

Editorial

Abre-se, este mês de junho, ao tempo de verão, já cheira a férias, vêm aí os dias mais longos e mais quentes. Junho é bem o mês da deusa Juno símbolo celebrado como força vital pelos antigos romanos. É o tempo dos Santos Populares e o país, de norte a sul, vive dias de romarias, celebram-se tradições e festas. Vêm estas festividades de eras longínquas, do tempo ancestral em que os homens prestavam culto aos seus deuses. Depois o cristianismo apoderou-se desses cultos, da sacralização de lugares e continuou a prática religiosa que, imemorial, diz-nos que o homem é um ser que tem necessidade de ir sempre mais além numa vivência do espiritual, numa incessante busca do transcendente. Temos, neste mês de junho, a celebração dos Santos Populares em cujo culto podemos ver bem conciliados o sagrado e o profano. Nestes dias em que as tecnologias e os meios de comunicação omnipresentes, parecem banir da realidade todo o sentido do sagrado. Este, ao invés, está hoje mais presente e atuante teimando em transformar a vida dos homens, dizendo-nos que, para lá do imediato e descartável, há valores perenes. E assim, Santo António, S. João e S. Pedro símbolos particulares de vivências cristãs, misturam-se com a realidade das populações e estão na música das bandas, no estrelejar dos foguetes, nos cortejos, no arraial. Festas dos Santos Populares, em que a religião surge como manifestação de vida e a vida genuinamente se manifesta na religião.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados