SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sexta-feira, 10 Julho 2020, 22:26

editorial

Aí está de novo a Feira que não é feira como aquelas que desde sempre, periodicamente, se instalam em Torres Novas e que, teimosamente, vão resistindo ao tempo. Esta é a Feira em que se recriam factos, acontecimentos, per- sonagens do passado. Durante alguns dias, personagens representam o que foi outrora, trazem para o presente, como se isso fosse realmente possível, vivências da nossa história. Há aqui um recuar no tempo. Tempos sombrios são os que desta vez se memora. É a época de um tal Pedro de Lencastre, figura ilustre que viveu no século XVII e foi mar- quês de Torres Novas. E foi também inquisidor geral do Reino. Julgamos que por isso são esses tempos designados de sombrios. Com efeito, quando os homens querem ser senhores da consciência de outros homens e zelando pela “pureza” das ideias, punem, torturam e matam, esses tempos têm de ser opressivos e sombrios. Não se pode apagar a história, e sempre, em todos os tempos o homem praticou desmandos e praticou a crueldade para com o outro. Mas também sempre houve homens que resistiram ao medo e à crueldade. Pois aí está a Feira que pretende recuperar uma época ao passado. O nosso passado comum. Por isso ela é um forte factor de identidade; um momento em que nos identificamos como comunidade e ela nos congrega pelo que fomos e donde viemos e nos dá força para caminharmos para um futuro comum. A Feira é um lugar de comércio, compram-se e vendem-se coisas, é um momento de aprendizagem pelo reviver do passado, onde se trocam ideias e se reencontram amigos e conhecidos. Ela diz-nos que somos uma comunidade. Vamos à Feira: tempo de encontro com as nossas raízes culturais.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Ler Mais...
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados