SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Segunda-feira, 28 Setembro 2020, 12:25

Agentes sociocristãos

A identificação dos agentes da ação social cristã acha-se clarificada, entre nós, a partir da III Semana Nacional de Pastoral Social – Fátima, 1985, e da Instrução Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa, já aqui citada, sobre a «Ação Social da Igreja», 1997 (cf. também Ação Social na Paróquia, Núcleo de Diálogo Social (Torres Vedras), Paulinas, 2010). Com base nestas fontes e noutros contributos, podemos considerar três conjuntos de agentes: as comunidades cristãs estruturantes; as instituições e movimentos sociais; os cristãos e famílias. As comunidades cristãs estruturantes são, na perspetiva católica, a Igreja universal, as dioceses e as paróquias. Nas instituições e movimentos sociais incluem-se, nomeadamente, as instituições particulares de solidariedade social pertencentes à Igreja e os movimentos da Ação Católica, embora estes não se integrem formalmente na pastoral social. O conjunto de cristãos e famílias abrange cada cristão, cada família, as suas relações de entreajuda, as «comunidades de base e pequenas comunidades» e os grupos de ação social, com esta ou outras designações; registe-se que as «comunidades de base e pequenas comunidades» estão reconhecidas, como tais, na Exortação Apostólica do Papa Francisco Evangelii Gaudium (A Alegria do Evangelho), 2013, nº. 29. João Paulo II entendeu por bem reconhecer e estimular um «grande movimento empenhado na defesa da pessoa humana», integrado pelos milhões de cristãos que vêm assumindo o seu «compromisso no mundo, (…) individualmente ou inseridos em grupos, associações e organizações»; desse modo, contribuem para «uma sociedade mais justa (…)» (Encíclica Centesimus Annus, 1991, nº. 3; cf. Compêndio da Doutrina Social da Igreja, 2004, nº. 538). A Cáritas Portuguesa e as Diocesanas, em articulação com a Sociedade de S. Vicente de Paulo e com outras instituições e movimentos, talvez reúnam especiais condições para a formalização e intensificação deste «grande movimento» em Portugal.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados