SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sexta-feira, 10 Julho 2020, 22:16

Compromisso social dos cristãos

O falecimento de Dom Manuel Martins, conhecido bispo emérito de Setúbal, foi oportunidade para lembrar o contributo que, na sua passagem pelo mundo, deu à Igreja e à sociedade. A comunicação social realçou, de facto, a sua intervenção social em favor dos direitos humanos, da justiça, das condições de vida dos mais desfavorecidos. Como o próprio prelado esclarecia, esta preocupação é parte integrante da fé cristã. Na verdade, o amor, sinal identificador do cristianismo, tem uma dimensão social e política (no sentido genuíno deste termo). Por isso, acho oportuno referir esta dimensão da fé nesta coluna do Almonda dedicada à vida interior, pois alguém poderia pensar erradamente que a dimensão espiritual nos alheia do compromisso social. Ora é o contrário: a fé, na sua identidade, compromete-nos com a construção de uma sociedade justa e fraterna, assente na igual dignidade e fraternidade de todos os homens. Compromisso social dos cristãos A fé age pelo amor, lembra São Paulo. A autenticidade da fé avalia-se pela prática das obras de misericórdia. É por elas que seremos julgados no final da nossa vida, adverte São Mateus. Que adianta dizer que temos fé se não praticamos as obras, pergunta São Tiago? E as obras da fé têm a ver com o serviço a Deus e aos homens, à família, à igreja e à sociedade. A ajuda fraterna não se limita à partilha de bens mas concretiza-se, igualmente, na atenção e acolhimento aos outros, no afeto e no cuidado que dedicamos a quem precisa. Deste modo, o amor verdadeiro leva-nos a lutar contra a pobreza material e a privilegiar os cuidados aos mais vulneráveis. Por isso, amar o próximo como a si mesmo, tem um horizonte muito amplo e torna-se um programa de vida que passa pela entrega de si mesmo, pelo serviço humilde, pela partilha do que temos e somos: do tempo, do afeto, da cultura, dos bens; pede- -nos para perdoar e semear a reconciliação; construir pontes entre as pessoas e alicerçar a paz; criar harmonia e consenso entre todos sem distinção. São estes valores que identificam o Reino de Deus e constituem o tema principal da pregação de Jesus. O Reino de Deus está presente no mundo e cresce como fermento que transforma no sentido da justiça, paz, fraternidade e alegria. Ser discípulo de Jesus é procurar, acima de tudo, o Reino de Deus e sentir-se responsável pela sua construção no mundo em que vivemos. “Que fizeste do teu irmão”? é a questão que Deus coloca a Caím e a todos nós. O amor fraterno tem, portanto, uma dimensão política. Concluindo, a espiritualidade cristã não afasta do compromisso com as realidades temporais, ao abrir o coração ao amor de Deus abre-o também ao amor dos irmãos tornando-nos capazes de construir a história segundo o desígnio de Deus.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Ler Mais...
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados