SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Domingo, 12 Julho 2020, 00:32

Dois contos de Natal de Maria Lamas (1)

A actividade literária de Maria Lamas não se circunscreveu apenas à edição de obras no domínio do romance e do ensaio. É conhecida a sua exímia faceta de contista, que se encontra dispersa em revistas e periódicos nacionais, debaixo do pseudónimo Rosa Silvestre.

Nesta vertente a escritora torrejana produziu, com enorme regularidade, autênticas jóias literárias. Impregnadas de um profundo amor pelos seres humanos a quem o destino fora adverso.

A época natalícia constituía-se, por excelência, como o período em que a alma sonhadora e fraterna de Maria Lamas dava asas aos seus utópicos anseios de um Mundo iluminado pela chama da Justiça e Bondade. A exemplo da terna figura do Jesus-Menino, que numa fria noite de inverno despertou no coração dos homens a luz do Amor Fraternal.

Em Dezembro de 1929, aparecem, simultaneamente, na revista “Civilização” (nº36) e no “Magazine Bertrand” (nº 18), dois contos de Maria Lamas alusivos à Natividade.

Na primeira publicação – inserta na habitual página da escritora torrejana “ O Reino dos Miúdos”- surge o conto “O Natal do Pastorinho”, assinado sob o pseudónimo de Rosa Silvestre.

É a história de um pastorinho, Tónio, que numa tarde de Dezembro, quando se preparava para “descer a encosta, deu pela falta dum cordeirinho [Negrito] de poucos dias, que era o seu enlevo”. O patrão tinha-lhe recomendado para que o não perdesse de vista.

A noite avizinhava-se. Um frio intenso assolava a serra, pintada de branco pela neve que caía sempre. Tónio deu ordens ao seu cão, Fiel, para que levasse as ovelhas para o aconchegante redil. Iria sozinho procurar o Negrito. A ele se juntou a mãe do cordeirito agradecida pela preocupação do pequeno pastor, que não dava mostras de ter medo da escuridão e dos lobos, apesar dos seus dez anos. Desde muito cedo Tónio era o sustento da mãe e dos irmãos.

No escuro e frio da noite, o pequeno pastorinho deambula à procura do Negrito. Os sons dilacerantes do cordeirito propagam-se perto do local em que se encontra. A custo caminha em direcção ao local onde ecoam os gemidos, até que tropeça numa coisa: “era ele, o Negrito, já sem forças para andar”. Tónio rejubila numa alegria indescritível, ao mesmo tempo que a mãe do pequeno cordeiro procurava reanimá-lo com o seu calor.

Era preciso regressar quanto antes à aldeia. Mas nenhuma luz rasgava a escuridão. Não havia o mínimo sinal do sítio em que se encontrava. Ao caminhar pela encosta abaixo lembrou-se que era a noite de Natal. Já não ia a tempo da missa do galo. Veio-lhe à lembrança a promessa da tia Leocádia, de lhe guardar “um bom quinhão” de rabanadas. Nesse momento, desata a chorar. Aquilo que a noite escura e o medo não despertaram, acontecia ao pensar no que iria perder – um momento único, “ que só uma vez no ano lhe era dado a saborear”.

Vagueando exausto pela noite, o pequeno Tónio desfalece “abraçado ao cordeirinho, julgando ter chegado o fim da sua vida”. O frio e a neve vão paulatinamente cobrindo num manto branco os dois seres abandonados pelo destino. A seu lado, velava pelos dois, a mãe do Negrito.

Como em todas as histórias de Natal a providencial mão Divina assoma com o intuito de corrigir o momentâneo infortúnio vivido pelos seres desventurados:

– No seu regresso a casa, após a Missa do Galo, a Clarinha e o irmão vão aconchegados ao peito dos seus pais. Trazem nos olhos a magnificência do presépio com todas as suas “ figurinhas bonitas, o Menino Jesus a sorrir, a Virgem, S. José, os pastores, os anjos, e julgavam estar sonhando”.

Nisto o chauffeur alerta para a presença de um corpo caído num dos lados da estrada, julgando ser de um velho. O pai de Clarinha decide ir ver do que se trata. Espantado pelo que viu, chamou as crianças para ver o “presente que lhes envia [va] o Menino Jesus”: Tónio jazia desmaiado no chão, “ e junto dele a ovelha, com o filhinho, ambos muito chegados ao dedicado pastor”.

Mandado pelo patrão, o chauffeur trata de levar a criança inanimada para o conforto do carro. Seguindo-os os dois cordeiros “dispostos a não abandonar o Tónio”.

Acorda dentro do carro “pensando que tinha morrido e que estava no céu”. Tão doce era o conforto que sentia no assento do automóvel, abrigado por uma temperatura bastante agradável. Ao ver o Negrito e a mãe compreendeu que estava vivo. E que era “a pessoa mais feliz do mundo”.

Devido às “circunstâncias extraordinárias” em que foi encontrado, a família de Clarinha “julgou-se na obrigação de o proteger”. Fora o presente que o Menino Jesus lhes enviara!

Tónio foi viver com eles. E a sua mãe deixou de passar por privações, porque a santa menina dava-lhe frequentemente avultadas esmolas, para que pudesse alimentar os outros filhos.

Quanto aos cordeirinhos da história, o pai de Clarinha comprou-os para oferecer ao Tónio, “ como recordação daquela noite de Natal em que, por amor deles, o pequeno ia morrendo de frio perdido na serra, enquanto a neve ia caindo, caindo…”

(Continua)

Um Feliz Natal!

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Ler Mais...
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados