SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Domingo, 12 Julho 2020, 06:48

Em memória do António Cotovio

 

Bandos de gansos a voarem em direcção ao sul e relva molhada pelo orvalho. Aproxima-se a longa estação invernal e, por isso,  passámos o fim de semana a preparar o jardim. Podámos sebes, reparámos canteiros e até arrancámos o que restava dos tomateiros e pimentões. Como o tempo tem estado agradável, demos uns passeios para admirar a beleza das cores outonais. Ainda há tão poucos dias, parecia que a vida era diferente. Agora, mal se varrem as folhas mortas e logo outras se despegam do imenso ácer junto à casa. Também o brilho do sol era mais forte.

 

Cada período do ano tem a sua faina. O mesmo ocorre com as jornadas da existência. As surpresas são constantes e é melhor não pensar muito nelas.

 

Estávamos quase a concluir o artigo desta semana, quando apareceu no ecrã do computador o aviso de que tinham chegado novos emails. Começámos pelo do Luís Ribeiro. Comunicava o triste passamento do António Augusto Cotovio, nosso comum amigo e camarada de escola.

 

No Caminho de Santiago, à saída de Los Arcos, pode-se ler numa pedra à entrada do cemitério: “Yo que fuí lo que tu eres; Tú serás lo que yo soy!”. Dos milhares de peregrinos que por ali transitam com rumo a Compostela, nem todos reparam nessa inscrição.

 

A sucessão dos dias faz-nos lembrar as ratas-de-água da nossa meninice, quando nos divertíamos a arremessar seixos sobre as águas do rio. Planeavam uns momentos, davam dois ou três saltitos e acabavam por se afundar. Desapareciam para não mais voltar.

 

Perante os mortos, é costume dedicar-se-lhes as melhores palavras e fazer de modo a que se esqueçam algumas das suas faltas. No caso do Cotovio, será difícil encontrar quem pronuncie uma má palavra a seu respeito. Continuaremos a guardar com o maior carinho a memória da amizade que este colega sempre nos dispensou. Com tanta generosidade e simpatia.

 

Os companheiros elogiavam a personalidade deste homem, realçando o característico trato afável, a sua discrição e honradez. Nunca o vimos perder a calma. A 23 de Maio de 2009, por ocasião do convívio anual dos antigos alunos dos professores Silva Paiva e Oliveira, foi-lhe atribuída a Ratoeira d’Ouro em reconhecimento da sua fidelidade ao grupo. Se não estamos em erro, nunca faltou às reuniões dos “meninos da escola”.

 

Vai juntar-se aos que já se foram: entre outros, Zeca Fragoso, Humberto Brás Silva, Rogério Aires, José Carlos Vieira, Joaquim Prazeres Pereira, Manuel Oliveira Reis e Fernando Henriques dos Santos.

 

São chorados no seio das respectivas famílias. Mas também abrem as portas à nostalgia. Ao ausentarem-se deixam sempre saudades: deles e dos momentos partilhados. De uma época em que quase tudo parecia melhor.

 

Por tudo isto, é bom recordar o passado e aproveitar qualquer oportunidade para celebrar a vida. Um após outro, os colegas vão caindo como as folhas das árvores no Outono. No entanto, cada um à sua maneira deixa um legado importante.

 

Para a Milita, que é prima do autor destas linhas, e para toda a família enlutada, as nossas mais sentidas condolências.

 

O António Cotovio foi um homem bom! Uma perda irreparável. Ocupará um lugar muito especial na galeria dos eleitos.

 

Que descanse em paz!

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Ler Mais...
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados