SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Domingo, 12 Julho 2020, 06:20

Na Nova Inglaterra com o Furacão Earl

 

Estas linhas foram rabiscadas com um ar quente e húmido a entrar pelas janelas. Cheira a mar e a algas. O furacão Earl vem pelo litoral acima. O Presidente Obama declarou o estado de emergência nas regiões costeiras desde as Carolinas até à Nova Inglaterra. Na enseada por trás da casa, o enrolar da maré serve de música de fundo.

 

Tal como nos países escandinavos, tampouco aqui se fecham completamente as cortinas e isso atrai os insectos que batem nos vidros ou se acumulam nos mosquiteiros. Constata-se assim que existem mais variedades de traças do que podíamos imaginar. Algumas têm a forma de coração. Dominam o bege e o marfim, mas também as há em tons de castanho. São bonitas como Falmouth, a vila marítima onde gostamos de recarregar baterias antes de recomeçar as aulas.

 

Já escrevemos neste seminário que a Nova Inglaterra é a região mais histórica dos Estados Unidos, sendo a cidade de Boston considerada o “Berço da Liberdade”, palco de importantes episódios da Guerra da Independência. Foi aqui que, a partir do Século XVII, as colónias britânicas deram origem à grande nação que, apesar de tudo, continua a liderar a economia mundial.

 

No entanto, não é apenas pela história que admiramos este recanto do continente. Deslumbram-nos as montanhas e florestas do New Hampshire e do Vermont, sobretudo no Outono. Gostamos do relacionamento que os estados do Massachusetts, Connecticut, Rhode Island e Maine mantêm com o Atlântico. Somos fãs inquestionáveis dos Cape Coders. Talvez pela maneira de ser e de estar na vida. Intriga-nos a preocupação desta gente com a liberdade individual, com a afirmação da personalidade.

 

Como se aprende nos bancos da escola, os Pilgrims abandonaram a velha Europa em busca da liberdade de culto e da independência. Tiveram uma grande sorte em conseguir atravessar o oceano. De facto, nada sabiam de navegação e não estavam no mínimo preparados para a vida de pioneiros. Quando visitamos a praia de Eastham, onde os Pilgrims contactaram pela primeira vez uma tribo autóctone, divertimo-nos a fantasiar este encontro. Que pensaram estes povos um do outro? Tivessem tido os índios a premonição do que lhes iria acontecer, não teria sido melhor para eles terem deixado morrer à fome os intrusos vindos do estrangeiro?

 

Há alguns anos, por ocasião de um colóquio sobre estudos portugueses na Universidade de New Hampshire, o Professor Douglas Wheeler organizou uma excursão à Shoals Island. Recordamos os nomes de alguns participantes: Alberto João Jardim, António Barreto, Villaverde-Cabral, Rocha-Trindade, Medeiros Ferreira, Eduardo Lourenço. Foi igualmente o nosso primeiro “clambake”. Numa cova na areia, os anfitriões colocaram pedras a escaldar e algas nas quais estufaram mariscos. Além das típicas ameijoas da espécie “quahog”, também houve lagostas e milho na maçaroca.

 

Noutra altura, num “bed and breakfast” no Maine, com um vento marinho penetrante como uma faca a ferir a pele da cara, ofereceram-nos ao pequeno-almoço uns deliciosos “codfish cakes” (pareciam hambúrguers de bacalhau) acompanhados de geleia de abrunhos silvestres. Inesquecível.

 

Mais comum é o “Clam Chowder” vendido nas peixarias, mercearias, bares e restaurantes. É a iguaria emblemática da Nova Inglaterra. Eis aqui a receita: pôr duas dúzias de ameijoas grandes (de preferência “quahogs”) numa panela de ferro com meia-chávena de água. Quando as amejoas se abrirem, cortam-se as partes mais duras e junta-se-lhes duas taças de água. À parte, misturam-se 150 gramas de carne de porco salgada com cebola picada e, quando esta aloirar, acrescenta-se as ameijoas aos pedaços. Depois de uns cinco minutos de cozinhamento, adiciona-se três colheres de sopa de farinha e duas taças de batatas em cubos pequeninos. Deixa-se tudo ao lume até as batatas ficarem macias. Em seguida, mistura-se o resto das ameijoas, uma porção generosa de manteiga e aumenta-se a temperatura. Quando levantar fervura, adiciona-se três ou quatro taças de leite quente (mas não a ferver!). Por fim, um pouquinho de colorau, salsa, sal e uma pitada de tomilho. Deixa-se apurar a lume brando durante cerca de meia-hora.

 

Onde quer que se vá, é fácil encontrar a bebida oficial do Massachusetts: sumo de “cranberry” (arando vermelho da espécie “macrocarpus”). A produção concentra-se nos “bogs” (terrenos alagadiços) deste estado. Em Setembro e Outubro, ficam da cor da polpa de romã. Os indígenas já utilizavam esta planta antes da chegada dos europeus. Na actualidade, a sua laboração emprega bastantes descendentes de cabo-verdianos. Trata-se de uma fonte de vitamina C consumida diariamente por milhões de pessoas, pois descobriu-se que evita e combate as inflamações das vias urinárias. Por outro lado, nenhum americano ou canadiano pode imaginar o perú do “Thanksgiving”, sem que este seja servido com “cranberries”.

 

As férias aproximam-se do fim e acaba-se a vida ao ar livre. É tempo de regressar às aulas e há que respeitar horários que não perdoam. Nos sentidos norte (Boston) e leste (Providence e Nova Iorque), as estradas ficam atulhadas de carros. Desta vez, o furacão Earl e o receio da anunciada tempestade tropical forçaram os turistas a terminar de um dia para outro os piqueniques, os mergulhos no mar e as correrias na praia.

 

Por prudência, este ano também partimos mais cedo. No fim, substituímos a “Freedom Trail” (Pista da Liberdade) bostoniana pela praia de Menauhant. Revisitámos Beacon Hill, Faneuil Hall, Quincy Market, a casa de Paul Revere e o cemitério onde estão sepultados alguns “pais” desta República com R maiúsculo. Ficou adiado o encontro com a D. Cremilde que festejava o nascimento de mais um neto, no vizinho estado de New Hampshire. Só esperamos que o nome do bebé não seja Earl, como foi baptizado o furacão que abreviou a nossa estadia em Falmouth.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Ler Mais...
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados