SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Quarta-feira, 15 Julho 2020, 07:24

A Roménia para além do Drácula

O Império Romano subjugou os dácios e criou a província da Dácia, cujo território coincidia com o da atual Roménia. Entre 271 e o século X, outros povos invadiram a região. Após três séculos de domínio otomano, em 1859, a Moldávia e a Valáquia juntaram-se para darem origem à Roménia e, depois das guerras mundiais, a Transilvânia também acabou por se integrar no país. Os romenos veem-se como “latinos num mar de eslavos” por falarem a única língua românica na Europa do Leste.

Os turistas visitam os Castelos de Bran e Peles, lembram-se do Drácula e deslumbram-se com a beleza das avenidas de Bucareste. Um ou outro até tentará compreender a história e ouvirá os habitantes a dizerem mal da ditadura comunista, de Ceausescu e de como “tudo terminou” com o seu fuzilamento a 25 de dezembro de 1989.

Uma execução no Natal é um evento bizarro. Porém, para os romenos este foi um dia benfazejo, com um sol radioso a anunciar calor e a abertura de uma fresta de liberdade.

O país entrou na UE em 2007 e, quase de imediato, foram exigidas medidas urgentes para combater a criminalidade e a corrupção. O Partido Comunista tinha sido abolido, porém a os seus dirigentes, os oficiais da ex-polícia secreta e outros “apparatchiks” souberam reinventar-se. Transformaram-se na casta de opor
tunistas e corruptos que se apropriou das principais empresas que viriam a integrar-se no capitalismo europeu. Vinte e cinco anos após a “extinção” do PC, além de Ceausescu e da mulher, nenhum outro comunista foi condenado pelo meio século de terror e miséria. Ninguém julgou os 11.000 agentes e o meio milhão de bufos da Securitate, a Pide lá do sítio.

O bem-estar dos cidadãos não era a prioridade do comunismo. Abundam os exemplos e um deles ficou célebre. Nos anos 1990, Copsa Mica era “a cidade mais poluída na Europa, onde todos os habitantes estavam doentes”. Uma fundição de zinco/ /chumbo e uma fábrica de carbono ativado para a produção de borracha emitiram, durante 60 anos, metais pesados e poeira negra que contaminaram o solo, o ar e a água. Cobriram tudo. Não só os operários mas também as suas casas, hortas e animais. Os moradores não tinham outra opção senão comer legumes envenenados, porque não havia outros. Dois terços das crianças pesavam menos do que deviam e o número de nascimentos com defeitos era acima da média. Um povo que sofreu imenso. Um país que merece uma visita. Pena é que tantos políticos e “jornalistas” tentem “corrigir” a realidade vivida nestas ditaduras. Deviam consultar as vítimas. Aprenderiam muito.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Ler Mais...
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados