SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Domingo, 12 Julho 2020, 03:14

Na Bulgária, com São Cirilo e São Metódio

Através da chuva, ao longo da estrada, viam-se figuras fantasmagóricas vagando entre as árvores. Era o início da colheita de bagas silvestres, a época mais doce do ano para este povo que gosta de fazer as coisas que os ursos fazem. Os bosques, imersos em chuva miudinha, enchem-se de famílias a colherem bagas – sobretudo amoras e mirtilos. Não é o tipo de cena que os turistas antecipam neste país onde a riqueza das paisagens está em contraste com a pobreza das pessoas que nele vivem.

A Bulgária é estatisticamente um dos países mais pobres da União Europeia, mas, século após século, os povos de expressão búlgara têm contribuído mais para a civilização europeia do que seria expectável dada a sua reduzida população.

Seria necessário uma coluna mais espaçosa para listar as suas principais contribuições. Por agora, basta mencionar os irmãos Cirilo e Metódio que, embora não tenham nascido no território da atual Bulgária, foram teólogos e missionários que aqui viveram no século IX. O mais jovem foi educado na escola dos filhos da família imperial bizantina. Tinha um talento especial para a aprendizagem de idiomas estrangeiros e foi bibliotecário da Igreja Patriarcal de Santa Sofia, em Constantinopla.

Foram eles que cristianizaram os Eslavos e é a eles que se deve a invenção do alfabeto cirílico e a tradução de inúmeros textos sagrados para as línguas destes povos. O trabalho de evangelização dos eslavos da Morávia antagonizou o clero de expressão germânica que os acusou de heresia por não utilizarem na liturgia e na educação religiosa uma das três línguas sagradas, i.e. grego, latim ou hebraico.

De facto, os búlgaros têm muito orgulho na sua língua. Foram os primeiros, entre as nações eslavas, a criar uma rica literatura tanto religiosa como profana. A tradução das Escrituras foi uma notável conquista cultural. Nas igrejas e na corte, o idioma vernáculo substituiu o grego. Em seguida, o alfabeto cirílico e a liturgia eslavónica expandiram-se da Bulgária para a Sérvia, Rússia e outros países. Cerca de trezentos milhões de europeus usam o alfabeto cirílico. Além dos búlgaros, russos e sérvios, também os bielorrussos e macedónios o utilizam.

Quiçá algum leitor esteja tentado em visitar os lugares por onde passaram os Santos Cirilo e Metódio. Em particular nesta atura do ano, quando pode aproveitar para fazer belas caminhadas nas montanhas dos Cárpatos. Uma actividade boa para a saúde e, sobretudo, para a bolsa. Os preços são imbatíveis e as florestas não arderam. Boa viagem! Добро пътуване!

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Ler Mais...
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados