SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Segunda-feira, 19 Outubro 2020, 22:09

Elucubrações sobre as Arábias

Na secção de vídeos da biblioteca, encontrámos um clássico da década de 60: “Lawrence of Arabia”. Tem por tema o envolvimento de T.E. Lawrence na luta contra os turcos otomanos durante a Primeira Guerra. Na nossa juventude, julgávamos que o Médio Oriente era uma das regiões mais atraentes do mundo. Talvez tivéssemos então mais pedras do que miolos na cabeça. E, por o cinema ser como as cerejas, hoje resolvemos escrever sobre uma recente viagem ao Médio Oriente. Os hebreus da diáspora, no findar da Páscoa Judaica e do Yom Kippur, dizem uma oração que termina assim: “no próximo ano em Jerusalém”. Exprime a vontade de retornarem à Terra Prometida. Devido ao desconhecimento dos preceitos talmúdicos e para não ferir suscetibilidades, optamos por não discorrer sobre Israel ou a Palestina. Limitar-nos-emos à Jordânia que, como outras nações árabes, aparece e desaparece. Em 1916, os árabes apoiados por tribos beduínas expulsaram os turcos e criaram o emirado da Transjordânia, protetorado britânico que deu origem ao Reino Hachemita e que depois viria a perder a Cisjordânia. Em 2019, os beduínos continuam a viver no deserto com os seus camelos, ovelhas e cabras. Durante séculos, a paisagem pouco mudou: a mesma areia e os arbustos secos, quase a mesma maneira de viver em tendas. Ainda se vêem mulheres a cardar e fiar a lã. Os homens, esses, tão-pouco modificaram os hábitos. Passam o tempo a beber chá ulta-açucarado, por vezes partilhando uma refeição de carneiro temperado com iogurte e açafrão. Comem com os dedos. Sim, nada se alterou. No entanto, já não são livres para se deslocarem a seu belo prazer. Apesar de terem perdido o direito de atravessar fronteiras em busca de água e pasto para o gado, não arriscam meter-se em política. Al-Karak dos Cruzados e Petra dos Nabateus são atrações turísticas e não só. Em 2016, a primeira foi atacada pelo Daesh (Estado Islâmico). Os jihadistas mataram 14 pessoas. À cautela, ficámos pela última, i.e. Petra, construída entre 500 e 600 anos antes de Jesus Cristo. Em direção a esta “maravilha”, notámos que a luminosidade se movia nas pedras e que, por causa dos jogos de luz e sombra, as fachadas dos montes nunca permaneciam iguais. O caminho seguia um desfiladeiro na montanha cujas paredes pareciam tocar-se e, inesperadamente, deparámos com as edificações entalhadas no gigantesco penhasco cor-de-rosa. Apenas uma grande civilização poderia construir templos e palácios dentro da rocha. Após Petra paragem em Aqaba, a 5 km da Arábia Saudita. Comemos faláfel (salgadinhos de grão-de-bico) e makloubeh (arroz de borrego com beringelas). Junto ao Mar Vermelho, vendedores ambulantes expunham à poeira do deserto bolos e tâmaras. Haverá uma cervejola para não muçulmanos?

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados