SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sexta-feira, 7 Agosto 2020, 13:22

Caminhar na Galiza entre a história e o mar

Há na Galiza um percurso extraordinário ao longo da costa atlântica, que liga a foz do rio Minho até à cidade de Vigo. Percorri esse caminho de carro em passeio familiar, há anos, por altura da Páscoa.

Era o mês de abril e a manhã estava fresca, com algum sol, que ora aparecia, ora se ofuscava por entre as colinas daquele território estendido até ao mar: penhascos, terraços cultivados, casas e secadores de milho antigos, gado que pastava, gente atarefada num dia de semana, em atividades do campo e da construção. O mar junto à estrada, picado aqui e acolá pelas vagas encimadas de branco, gaivotas em voo tenso e ao longe pequenos ilhéus a norte, barcos de mercadorias investindo contra a maré.

No percurso para norte, sucedem-se lugarejos, a adivinhar vidas simples e intensas, ocupadas, entre o campo, as casas e o mar, certamente sem o reboliço da cidade grande. Continuamos, sentem-se os aromas marinhos, o cheiro do pinho, o odor dos estrumes deixados pelo gado. Ao fundo, surge Oia e a silhueta de um mosteiro isolado entre a encosta e a praia. Decidimos parar e espreitar. É um convento grande, revestido de pedra gasta e cinzenta, com um átrio em volta, onde se percebem as diferentes intervenções arquitetónicas românicas, góticas e barrocas, portadas em madeiras antigas armadas com ferragens resistentes, com uma grande janela voltada para o mar que fica a li a metros.

Dou um passeio em redor e fecho os olhos. Imagino tempos passados, monjas a rezar, mosaicos majestosos, claustros de silêncio, caminhantes em direção a Santiago de Compostela, quem sabe: alguns perdidos, outros com frio, doentes ou com fome, ali acudidos, que se encontraram naquela quietude, séculos após séculos…

Depois olho o oceano e imagino quantas mães ali não acorreram com preces a Santa Maria, para proteção dos seus filhos marinheiros e exploradores dos mares do sul? Quantos barcos ali não acostaram em busca de guarida dos temporais? Intrusos para algum saque? Mas o tempo passou e as histórias foram-se com a vida das gentes. Ali permanece o templo e as suas casas adormecidas, para nos fazer parar, imaginar que tudo passa e só a natureza e a espiritualidade fica, como a marcar o nosso caminho. Extasiado, ouço chamar, porque é hora de partir e seguimos caminho.

O tempo passou…, para mim, cerca de oito anos! Guardo na memória aquela experiência marcada de encontro com a natureza e vidas humanas. Imagens de um tempo ancestral de dores, esperanças e medos, pessoas que construíram com as suas mãos catedrais que guardam o sussurro do tempo e da fé, transmitindo para além de si de a mensagem de intemporalidade da alma que respira.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados