SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Domingo, 12 Julho 2020, 00:19

Construir a Europa – Votando!

Vivemos num território a que chamamos Portugal, um espaço conquistado ao longo de quase nove séculos, desde o nosso primeiro rei até hoje, em que temos de conquistar a nossa dignidade e desenvolvimento no espaço das nações com que nos relacionamos, sobretudo a Europa.

Pouco e pouco, quem nos governou neste percurso da História, foi construindo uma identidade diferente de outros povos eles próprios muitas vezes fechados sobre si próprios, em busca de um destino de glória a que não foi alheia a guerra, ou melhor: tantas guerras como forma de afirmação e procura da prosperidade política, económica, religiosa, cultural e até racial.

O espaço europeu é constituído por muitos países, com uma diversidade muito significativa entre si, com expressão em línguas diferentes, abrangência geográfica da sua cultura em territórios um pouco por todo o mundo (sobretudo por efeito da expansão marítima dos séculos XV e XVI). Mas o mundo não parou e também em outras regiões do mundo houve desenvolvimento e as tecnologias difundiram-se de forma que estamos agora confrontados pelo fenómeno da Globalização que permite que pequenas identidades de pessoas ou países possam ambicionar a tocar e intervir no mundo todo, num movimento de interdependências e influências que se estendem a todos. Perante essa realidade muitos países procuram “agarrar-se” à sua identidade ancestral, enquanto outros procuram novas formas de colonização ideológica e política, com efeitos em alguns casos perigosos.

Hoje assiste-se à emergência de blocos de influência, seja económica, seja política, ideológica ou cultural, em que se faz um grande empenho por estender influências e domínios. E surgem um pouco por todo o lado alianças que procuram agregar interesses e espaços de intervenção: A grande China, O subcontinente latino-americano, a India, a União Africana, etc.

A Europa inserida nesse universo composto por 7 mil milhões de pessoas, representa atualmente apenas 7% da população e encontra-se muito dividida com povos e formas de agir que acabarão por submergir às mãos dessa massa de pessoas que aflui a um vasto território europeu de bem-estar (veja-se o fenómeno da imigração a partir das costas de África com pessoas a chegarem às costas da Grécia, Itália, Espanha, Portugal, etc.), ou ainda a necessidade de convergência na ação política face a fenómenos com a crise na Ucrânia/ Crimeia onde a Europa não teve uma resposta imediata e concertada.

Antevendo muito do que está a acontecer e no rescaldo da 2ª Guerra Mundial, três primeiros-ministros europeus: Konrad Adenauer, Robert Schuman e Alcide De Gasperi, sonharam que de forma pacífica se poderia construir uma União Europeia, um espaço de prosperidade e de paz para todos os povos que habitam o espaço que vai do Atlântico aos Urais. A riqueza desses povos está na sua cultura judaico-cristã e humanista, na sua ciência e línguas, no seu património histórico e nos seus povos.

Hoje confrontados com novos desafios, é preciso encontrar órgãos de governação de todos, com uma coordenação central europeia, como um Banco comum, um Parlamento, um Tribunal, forças de Defesa e um Governo composto por uma Comissão. Para isso, cada Estado ou país terá de abdicar um pouco da sua soberania, de forma a tornar A Europa governável a bem de todos.

Todos os cidadãos são chamados felizmente em liberdade e democracia, a votar no dia 25 de Maio – também nós portugueses – para escolher aqueles cidadãos que os irão estar a representar no Parlamento europeu.

Devem-no fazer de forma esclarecida e em consciência, votando nos que vão de encontro aos seus valores e condutas, sabendo que os deputados em Bruxelas e Estrasburgo irão ter mandatos para escolher e construir leis que nos vão influenciar ou determinar o viver por muitos anos.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Ler Mais...
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados