SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Domingo, 12 Julho 2020, 00:35

Ribatejo e Alentejo unidos num só dia

 

Sempre apreciei dormir umas horas a mais ao fim de semana. Mas, no passado domingo, acordei por volta das sete horas da matina. Ao abrir a janela senti uma brisa leve e fresca na minha mão. Arranjei-me e lá fui eu com mais pessoas ao meu destino. Fomos se não estou em erro, os primeiros a chegar a uma aldeia do nosso concelho que se chama Chancelaria. Comemorava-se o dia da freguesia. A manhã estava propícia para a caminhada que começou por volta das nove horas, com uma multidão considerável. Crianças sorridentes com ténis multicolores saltitavam parecendo abelhinhas de flor em flor; jovens com pequenas mochilas iam a passos largos; e nós fomos ficando para trás. O percurso até nem era difícil, mas caminhamos lentamente. Apreciamos a serra, majestosa, linda, sedutora. Ao longe num alto os moinhos embelezam o cenário. No ar sentia-se um cheiro a pinheiro e a eucalipto, ao qual os nossos pulmões agradeceram.

 

Ao meio do caminho encontramos uma senhora conhecida. Com o seu saber de residente e com a bonita idade de setentas e tais anos, falou-nos das caminhadas que faz diariamente, dos incêndios que já desgastaram alguns pedaços de terra. Apesar de tudo, os habitantes mantêm as hortas arranjadas, cultivando diversos alimentos e também existem muitas árvores de frutos. E, por entre estes campos, acenávamos a cada pessoa que víamos e outra senhora até nos convidou a ir a sua casa comer uns deliciosos dióspiros que nos souberam a mel.     

 

Terminado o nosso passeio, regressámos ao local da partida onde a Banda Filarmónica União Matense nos aguardava. De repente ouvi um sotaque que me era familiar. Virei-me e vi pessoas com trajes antigos. Aproximei-me deles e disseram-me que faziam parte do Rancho Folclórico “ As Ceifeiras de Alter do Chão” pertencentes ao distrito de Portalegre. A sua presença deveu-se à geminação que fazem com a Chancelaria. Simpatizei com aquelas pessoas e fomos em conjunto visitar o Centro de Dia que possuiu boas condições quer a nível de espaços, quer a nível de estruturas. A próxima visita foi aos moinhos da Pena, no qual as gentes simples de Alter do Chão me convidaram a ir com eles no seu autocarro.

 

Com o sol a queimar fomos almoçar à Mata, um repasto volante onde não faltou o famoso espeto de porco assado entre outras coisas. Por volta das 15h30m o Rancho Folclórico “As Ceifeiras de Alter do Chão” presenteou-nos com as suas danças tradicionais, com os seus trajes alentejanos. Naqueles minutos viajei até ao Alentejo onde passei e continuo a passar alguns dias; Mergulhei num campo longo, com uma casa e com a família. Escutei ao longe o eco da voz do meu pai, os risos dos tios, as brincadeiras dos meus primos. E no fim, o cheiro da açorda, dos gaspachos, do pão caseiro.

 

Ai Alentejo da minha alma. Orgulho-me de ter uma parte de ti e também uma parte do Ribatejo. Os aplausos trouxeram-me de volta à realidade e eis-me de novo sentada numa cadeira a assistir às Danças de Salão da Chancelaria, que têm dançarinos bastante profissionais em palco. Para terminar a Banda União Matense encerrou este dia. Num dia só conseguiu-se conviver, conhecer novas pessoas, comunicar e travar novos laços de amizade. Por isso, agradeço ao Sr. Presidente da Junta de Freguesia da Chancelaria de ter convidado uma das associações à qual pertenço para estarmos presentes neste evento. Em meu nome pessoal agradeço a simpatia e simplicidade com que os membros do Rancho Folclórico de Alter do Chão me acolheram. Voltem sempre. Dou os meus parabéns pelo desempenho aos jovens que integram o Rancho, As Danças de Salão e a Banda Filarmónica.

 

Finalmente, sejam muito felizes e nunca deixem de sorrir.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Ler Mais...
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados