SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Segunda-feira, 10 Agosto 2020, 17:47

Uma vida rica

Quando era miúdo, vivia em Valverde em casa de meus pais, no número seis daquela rua, no segundo andar, com águas furtadas e tudo. Meus pais trabalhavam por conta dos seus tios, D. Emília que era irmã da minha falecida avó Lucília, de Vila Moreira e Joaquim da Silva Patrício que cuidaram dos sobrinhos após a morte da minha referida avó, mãe de meu pai.

A família de Joaquim da Silva Patrício era tida como uma família abastada, com uma vida desafogada, com um comércio de mercearias e miudezas para calçado e com duas sapatarias, com casa própria e construída de raiz e ainda com uma quintinha na Calçada António Nunes.

Meu pai e dois dos seus irmãos mais velhos, vieram para Torres Novas ainda crianças e ali foram acolhidos, aí se empregaram e dali constituíram as suas famílias.

Como se calcula, a minha vida alternava com a vida de pobre ou remediado, pois meus pais nunca me faltaram com coisa alguma e a vida de rico, pois frequentava a casa dos meus tios como se minha fosse, convivendo e brincando com os meus primos de Torres Novas e no verão com mais uns cinco vindos de S. João da Madeira.

Para além dos amigos de rua e de bairro, ainda tinha as companhias que referi, bem como a dos amigos e amigas dos meus referidos primos. Não me devo esquecer de mais quatro primos, também netos do meu tio Patrício, que viviam em Moçambique e que aqui vieram frequentar o final do secundário. Portanto de falta de paródias e brincadeiras não me posso queixar e só lamento verificar que a vida nos afastou com a idade, tendo-os reencontrado há cerca de dois anos, através do Facebook, um belo aparelho de busca, que nos permite hoje em dia estarmos ligados e trocarmos mensagens com frequência. Não posso esquecer a minha irmã Glória, as minhas primas Teresa e Laidinha, que também muito brincavam no quintal do senhor Patrício.

Ora eu, amigo das cantigas desde moço, aliava esta vida de “sacrifício” com as músicas e com os amigos também com queda para as notas musicais, O Julião, o João Luis, o Varela, o Carlos Nicolau, o André, o Rui Venâncio e outros amigos do bairro como o João Manuel, o Fernando Moura, o João Artur, de entre outros, sem esquecer o Carvalho que era o dono da bicicleta… Jogava-se ao número com os rebuçados comprados na loja do Fera, aos polícias e ladrões e nos intervalos desta brincadeira, também íamos à escola, para aprender a sermos homens como devia ser. Ou seja, a minha vida sendo remediado foi sempre uma vida rica, nunca esquecendo que como em tudo na vida “mais vale sê-lo que parecê-lo”, mas que foi uma juventude de ouro isso foi…

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados