SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sábado, 8 Agosto 2020, 01:56

Vem aí mais um 25 de Abril

Depressa aí estará mais um 25 de Abril e uma nova cerimónia onde – caso se siga o figurino usual – num espaço capaz de albergar a multidão, iremos ter algumas pessoas de cravo vermelho ao peito a discursarem para pouco mais de duas dúzias de outras tantas, também de cravo vermelho. E estes, nos tempos certos irão bater as palmas da praxe. O ano passado isto foi na Praça dos Claras. Bem se justifica a comemoração desta data histórica, com a liberdade de cada um a fazer como melhor entender e puder. A minha geração viveu a adolescência e a juventude submersa num tempo cinzento em que não havia liberdade de opinião, de expressão e de imprensa. E a falta das mesmas, motivava o pior do regime político deposto em 25 de Abril de 1974, ou seja: censura oficial, polícia politica (PIDE/DGS) com uma rede de informadores que tudo vigiava e de tudo dava conta, presos políticos e uma guerra colonial que – nas condições da mesma – se sabia de ciência certa, conforme me foi ensinado durante a recruta na Escola Prática de Infantaria em Mafra, não ser possível vencer sendo que, e apesar dessa evidência ali ensinada, se continuava a mandar a juventude para a mesma. Tal como a generalidade do povo, celebrei por isso com alegria e esperança o fim desse tempo cinzento e a chegada da bendita liberdade, a qual cumpre defender sem hipocrisias ou cedências ao politicamente correcto, agora tão em voga. Por isso, venho aqui fazer um apelo a quem este ano for botar discurso nas comemorações do 25 de Abril – dia da Liberdade – para que se abstenha de incluir nas suas palavras quaisquer tipo de críticas ou queixinhas, contra a imprensa cada vez mais rara que resiste a ser domesticada e que cumpre a sua obrigação de exercer o direito à denúncia e à crítica, favorecendo com isso o conhecimento e discussão dos assuntos, essenciais à saúde da Democracia. Ou seja, que não se repita o que se terá verificado o ano passado. (ver “O Almonda” de 28/04/2017). Porque, embora vivamos um tempo em que parece ser moda por parte dos poderes a critica à imprensa infiel, no caso da situação se repetir corre-se o risco das referidas celebrações, ficarem cada vez mais ao nível dum ritual hipócrita e sem sentido e à margem da já escassa participação popular. E o 25 de Abril merece muito mais. É o apelo que aqui deixo em meu nome e – estou certo – de todos os que amam a liberdade conquistada vai fazer agora 44 anos.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados