SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Quarta-feira, 15 Julho 2020, 02:12

KM71

À saída da Golegã para a Azinhaga. A fauna do costume. Pela expoégua. Do lado de lá da estrada, no estacionamento encostado ao milho, à sombra grande dos plátanos: um acampamento de ciganos. Picadeiro improvisado, alguns cavalos, um cavaleiro, raparigas de longos cabelos negros. A seguir ao museu da fotografia quando se desce em direção à alverca. Entro. Encosto-me ao balcão. Há uma estranha agitação no ar. Todos fixam o olhar no acampamento dos ciganos. É uma foice que ele tem na mão, está a matar a cobra? Reparo melhor: um rapaz dá foicinhadas na erva, outros observam parados. É já tarde para intervir, o bicho está condenado. Assisto à matança, que acontece num ápice em quatro ou cinco movimentos rápidos. A cobra é apanhada do chão já inanimada. Tem mais de meio metro. Ele ergue o seu troféu, passa a estrada e vai deitar um bicho numa seara, com desprezo. Apetece-me ir ver a cobra para saber a espécie: rateira, de escada, de ferradura, bordalesa, de água? Vem agora em direção ao café, orgulhoso por ter feito a boa ação do dia, à vista de toda a gente. Levanto-me. Vou ao seu encontro. Tem para vinte e poucos, os traços característicos da sua gente: cara queimada pelo sol, olhar de desafio de quem passou muitas noites sob o céu estrelado, pele morena. Digo-lhe de chofre: só tenho pena da cobra! Olha-me surpreso. Aproximo-me mais, insisto: sabe o que diz a bíblia sobre a cobra. Sei! Pois devíamos estar agradecidos senão nós ainda andávamos nus no paraíso sem termos consciência de nós mesmos, como os bichos? Não sei se me percebeu, mas atalho logo a conversa! Levou-me a mal ser sincero? Não! Perguntei-lhe o nome, disse-lhe o meu, apertei-lhe a mão. Foi ali quando se passa a igreja manuelina, onde se lê a frase, já muito apagada pelas mordeduras do tempo, memória sou de quem a mim me fez. Naquele café onde se reúnem ciganos, lavradores, pastores, caçadores, pescadores, e outros mentirosos, como eu, que respeito e admiro, creio que se chama KM71.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Ler Mais...
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados