SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Domingo, 5 Julho 2020, 04:31

Esta Europa

Falar de pluralismo religioso, de ecumenismo ou de laicidade, é falar desta nossa Europa e da sua cultura, da sua civilização e, naturalmente, do Cristianismo que a enformou.

Neste sentido cito as palavras de Eduardo Lourenço num longo artigo no jornal “Público”: “O atual panorama do pluralismo religioso ou do potencial ecuménico, só foi e é possível pelo facto de a cultura europeia se ter tornado ao longo de um processo milenário, uma cul- tura tendencialmente laica.”

As numerosas seitas que proliferam por essa Europa fora, parecem o ressuscitar do comportamento dos últimos três séculos do Império Romano. Nessa altura, com espanto e medo de muitos cidadãos romanos, surgiu uma nova religião que triunfou mercê de Constantino e do caráter tendencialmente universal dessa nova reli- gião ilustrado nas afirmações de S. Paulo. Também tinham surgido numerosas seitas cristãs e numerosos evangelhos que, graças à política constantiniana e ao poder persuasor de alguns célebres padres da Igreja, se unificaram com o estabelecimento da sua cabeça na velha Roma do Império Romano.

Quando este poder se tornou fraco e as dissensões do Renascimento abalaram o monolitismo da Igreja de Roma, começaram a surgir numerosas seitas ba- seadas nos mesmos livros sagrados. Isto só foi possível graças à natureza do Cristianismo. Este não é certamente uma religião no sentido clássico do termo. E atrevo-me a citar de novo Eduardo Lourenço: “O nome de “Pai”, dado a Deus, não é uma mera antropologização destinada a nomear o que não tem nem pode ter nome… mas a pura metáfora do sentimento de pura gratuidade que é a essência do laço que não nos ata a Deus – e muito menos Deus a nós – mas nos desata de todo o império da necessidade. Deus não é a nossa “propriedade”, nem nós a de Deus”.

O dever de amar a Deus, como todo o amor não se impõe. É exatamente o Amor que Cristo insistentemente pregou, o de Deus e do próximo que livremente nos é oferecido. Graças a ele, o pluralismo religioso foi possível nesta Europa, como foi possível o ecumenismo e a cultura europeia, tendencialmente laica. É que o amor não se impõe. Ou se tem ou não se tem. Será que a Europa cristã tem consciência disto?

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Ler Mais...
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados