SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Domingo, 12 Julho 2020, 07:09

A Construção da Avenida Marginal – O período Republicano (1922-1926)

Um dos equipamentos urbanos que ganhou forma em 1924 foi a Avenida Marginal. Segundo Joaquim Rodrigues Bicho (Pinceladas Torrejanas, 2ª ed. Avenida Marginal, fls. 145), a ideia de construção de duas avenidas na vila, teria sido da autoria do semanário. Sabe-se que as notícias sobre a Avenida Marginal surgem em 1922. Pela leitura do publicado, verifica-se: «3ª feira (22) – Presidente da Camara com o engenheiro Francisco Antunes a levantar a planta nos terrenos marginais do rio, que vão do Hospital da Santa Casa à ponte do Raro.» O objectivo era «fazer o estudo da avenida a ligar o Rocio do Carmo com o Jogo da Bola» (O Almonda nº 175, 26/11/1922). No ano seguinte, noticia que «na passada 4ª feira (1/2), Francisco Antunes, engenheiro da CP faz 0 levantamento da planta do Rio Almonda e dos terrenos marginais do Lado Norte, desde o Hospital até à Ponde do Raro» (Id., nº 183, 21/1/1923). Em Abril, insere a seguinte notícia: «Avenidas Novas – Senado municipal – 6ª feira (21), autorizou a compra de terrenos a expropriar para a Avenida marginal do Rio, tendo sido adquiridos por 40 contos os prédios da Sr.ª D. Maria de O. Tavares» (Id. Nº 196, 22/4). No mês seguinte, informa sobre a negociação dos «terrenos da Sr.ª Carolina Bretes para a Avenida Marginal» (Id, nº 200, 20/5). Em Julho, a Comissão Municipal já tem as plantas da avenida e encontram-se adiantados os trabalhos preliminares para o seu início (Id, nº 206, 1/7). A partir de Agosto, (nº 213, 19(8), o semanário apresenta-se com novos cabeçalho e formato, saindo aos domingos, daí a necessidade de nova contagem para os dias da semana). Só em Setembro, na secção De Relance, devido às dificuldades de acerto de contas com as donas dos terrenos, fala-se da decisão da câmara para a expropriação dos mesmos. (Id, nº 215, 2/9). Só no ano seguinte, surgem novas informação sobre a Avenida. Para a sua construção foi necessário libertar o terreno na posse de terceiros, com a Casa Bretes, «que assinou a escritura de venda… dos terrenos a expropriar» (id. nº 239, 17/2 /1924). Em Março, «a Camara dispensou cerca de 150 contos para a compra das propriedades das viúvas Tavares, Bretes e Velês, cedendo à Misericórdia outros terrenos em troca dos que lhe pertenciam, na margem do rio» (Idem, nº 245, 30/3). De novo, notícias em Maio: «Na 2ª feira passada, começou a ser demolido o muro da cerca do Hospital, dando assim início às obras da Avenida Marginal» (Idem, nº 251, 10/5). A 17 do mesmo mês, o semanário informa que a Avenida «já foi demarcada pelo engenheiro da CP Francisco Antunes» (Idem, nº 252, 17/5). A 22, a Comissão Administrativa aprova a arrematação, a 12 de Junho, da «nova Avenida entre o Rossio do Carmo e a estrada municipal das Lapas – terraplanagem, muros de suporte e viação e do colector geral de esgotos» (Actas, Lº 295, fls 76v). A 24, o semanário informa que começa na próxima 2ª feira (18) «a terraplanagem da avenida municipal» (Id, nº 253, 24/5), o que não corresponde à realidade, já que só em Junho, na sessão da Comissão Municipal de 12, a obra vai à praça, Não havendo concorrentes, marcando-se nova sessão para 19. (Actas, cit., fls. 79), onde a obra foi adjudicada. Em julho descreve que «foi deitado abaixo o muro do Jogo da Bola» (Id, nº 259, 5/7). A 12 desse mês, fica-se a saber que «continuam com grande actividade os trabalhos de terraplanagem» e já há projectos para as casas aí a construir da autoria do arquitecto Henrique de Campos« (Idem, nº 260, 12/7). Em Outubro a terraplanagem da avenida encontrava-se concluída (Id, 272, 4/10). Em Novembro, os trabalhos são interrompidos, para conclusão dos canos de esgoto (id. 280). O semanário só regressa ao assunto da Avenida em Março do ano seguinte, quando noticia o recomeço das obras (Id. 296, 28/3/1925), mas que, em ano de crise e convulsões sociais e políticas várias, pouco se desenvolvem, como se relata em Setembro (Id, nº 322, 26/9). A ideia de que os terrenos eram difíceis para a construção e a zona muito insalubre, fez parar a construção da Avenida, só se construindo a primeira casa em 1926 (id, nº 396, 18/12). Deve-se a Joaquim Rodrigues Bicho, na obra atrás citada, além de Artur Gonçalves (Mosaico Torrejano Roteiro da Vila de Torres Novas, 482), o estudo mais pormenorizado sobre a construção da Avenida, que foi reiniciada em 1932, com alterações diversas, vindo só a ser inaugurada em 5 de Maio de 1935, pelo então ministro da Agricultura, Dr. Rafael Duque (Bicho, ob. cit., 145/152; Gonçalves, ob. cit, 482). A fotografia utilizada para ilustração deste artigo já apresenta construído o Colégio de Andrade Corvo, inaugurado em 10 de Abril de 1834, tendo começado nesse ano a sua actividade lectiva. (Gonçalves, ob. cit., 482).

antoniomario45@gmail.com

O autor escreve de acordo com o anterior acordo ortográfico

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Ler Mais...
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados