SEMANÁRIO REGIONALISTA DE TORRES NOVAS | FUNDADO EM 1918 | ANO CI | Diretor: Nuno Vasco Batista Nunes | Sábado, 15 Agosto 2020, 19:00

O Ensino no Concelho de Torres Novas – Da Regeneração (1851) à República (1910)

1902 – 1904

Das eleições de Novembro último foi eleita nova Câmara Municipal, onde predominam figuras apoiantes da ala mais radical do partido progressista, que anos mais tarde iremos encontrar nas fileiras do Partido Republicano Português, tomando posse a 2 de Janeiro[1].

Em Março, a solicitação da junta de Paróquia da Zibreira  requer ao governo a instalação duma escola do sexo feminino nesse lugar, responsabilizando-se a autarquia pela  habitação do professor , escola e mobília. Na mesma sessão, a Junta de paróquia de Alcanena apresenta uma representação, que Câmara apoia, pedindo autorização para a venda do edifício da antiga escola, revertendo o produto da venda  para as despesas dum novo edifício escolar.[2]

A principal medida tomada, em Maio, foi a mudança da Escola do Ensino Livre, do Padre João Gomes Duque, que se encontrava instalada, desde Agosto último, na casa da Enfermaria. Com a instalação da escola Prática de Cavalaria em Torres Novas, em Janeiro, a Câmara, a instâncias do comandante daquela força, cede-lhe a referida casa para instalação do Hospital Militar, obrigando-se à cedência duma outra, arrendada mensalmente por 8 mil réis, a António Nunes, na subida da calçada de António Nunes, onde permaneceu nos dois anos seguintes.[3]

Também em Maio, a 20, é colocado, por permuta com o professor José António Nunes, na escola de Bugalhos, o professor José Maria Alves, transferido da escola do Pombalinho.[4] E a  24, Também por permuta , com o professor de Casevel, para a escola da Rexaldia, Policarpo Rodrigues Sentieiro.[5]

Em Julho, a 30, a Câmara toma conhecimento de que a Direcção Geral de Instrução Pública autorizou a venda do prédio escolar de Alcanena. [6] Foi adjudicada a 7 de Agosto, por um conto e cem mil réis, ao cidadão António Courinha.[7] A 13 desse mês toma posse do lugar de professor interina da Mata,D. Maria da Conceição Costa.[8]

A 4 de Outubro, o administrador do concelho alerta para problemas de saúde mental que parece demonstrar a professora do Outeiro Grande do sexo misto, D. Gertrudes dos Reis Tavares.[9]

Em Novembro, a escola complementar da vila, instalada na praça dos paços do Concelho, no prédio dos Serra, é obrigada, a partir do fim do ano, a abandoná-la, porque não pode continuar a ser alugada para o referido fim.

1903

Em Fevereiro, foi deliberado arrendar ao Dr. António Pessoa de Amorim uma casa no lugar da Zibreira, por 36 mil réis anuais, para habitação da professora interina, ultimamente nomeada, D. Maria Gonçalves.[10]

A 30 de Abril, a Câmara toma conhecimento da deliberação de 24 de Março da Comissão Distrital, que deliberara põe de novo em praça o edifício público da escola de Alcanena, por não ser satisfatório o primeiro preço.[11]

Em Maio, é entregue à Câmara, o edifício recentemente concluído na freguesia de Minde, para casa do professor e respectiva escola.[12]

Foi também nesse mesmo dia posta em hasta pública o edifício escolar de Alcanena, sendo arrematado provisoriamente a Augusto Antunes dos Santos Trincão, por 2 contos de réis, ao juro de 6%.

Em Junho, a 4, a Câmara confere a Augusto da Costa Ferreira, professor oficial de Minde, a posse do novo edifício escolar. [13] Indefere, a 12, a criação dum curso nocturno na freguesia de Bugalhos, solicitado pela Junta, com o argumento da diminuta população da freguesia.

1904

Só em Maio nos surge informação escolar nas actas. A 13, firma-se contrato de arrendamento das casa escolares e habitação da professora oficial de Minde, ao reverendo Paulo da Silva e Costa do lugar de Monsanto, por 50 mil réis, com princípio a 1 de Janeiro último. Também de realiza o contrato da residência do professor das Moreiras Grandes, António Rodrigues Pena, a D. Maria de Conceição Azevedo e Sousa, da Lamarosa, por 32.500rs.[14]

A 27, toma igualmente conhecimento que a Direcção Geral de Instrução Pública deliberara vender definitivamente a escola de Alcanena a Augusto dos Santos Trincão.[15]

Em Junho, a 15, são encomendadas carteiras para as escolas da vila à empresa Verochhneider G. Andrade, de Tomar. Em 20, especifica-se que as 16 Carteiras requisitadas são para funcionar em duas aulas e devem ser acompanhadas de dois bancos para casa uma, de modo a serem distribuídos convenientemente.[16]

A 27 de Julho o administrador do Concelho informa que a professora de Riachos se ausentou, desde 24 de Maio último, da escola de Riachos, para Santarém, morando na rua de S, Lázaro, com seu marido, sargento da Caçadores nº6.[17]

Nada mais encontrámos, deste ano.


[1] A. Cam, Lº 240, 9 -Presidente, Dr.António Pinto de Magalhães e Almeida, Vice-Presidente, Dr. José Correia de Oliveira Gorjão, Vogais António Henriques de Oliveira, Manuel Antunes Mota, Manuel Luís Gonçalves e José Courinha (este último só tomou posse a 16) e Joõo Mogo de Melo. Suplentes: Manuel Lucas Junior, Manuel Alves Rodrigues, José Augusto saraiva, José Antunes da Silva, Hugo dos santos, António baptista Barreiros Calado, Manuel Gaspar..

[2] Idem, 20/3, 16.

[3] Gonçalves, Artur, Memórias de Tôrres Novas, p.100/101. De 1904 a 1907 esteve instalada numa casa da Rua Direita, que dá para o largo do Lamego, nº 26; de 1908 q 1911. Instalou-se no largo da ponte do ral, na casa sobre o arco, que foi dos Pimenta do Avelar. Duranrte a República sofreu novas mudanças de instalação, até em 1928, ingressar no Colégio de Andrade Corvo.

[4] A. Posse, Lº 1643,20/5, 7 v.

[5] Idem, cit, 24/5, 8

[6] A. Cam., cit, 3/7,29 v.

[7] Idem, 7/8, 31 v.

[8] A- Posse, cit, 13/8, 9.

[9] Corresp. da Admin.c/ Gov.Civil, Lº1595, 51.

[10] A. Camarárias, 5/2, 44v.

[11] Idem, 30/4, 48 v.

[12] Idem, 28/5,51.

[13] Idem, 4/6, 53.

[14] Idem, 13/5/1704,74 v.

[15] Idem, 17/5, 75v.

[16] Cop. De Oficios, nº301 (1903-1908), fls.15 v e16

[17] Corresp. c/G. Civil, cit, 67.

Partilhe!
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on reddit
Reddit
Jornal O Almonda, 2020 © Todos os direitos reservados