Home > Colaboradores > Joaquim Canais Rocha > Quem salva o comércio tradicional?

Quem salva o comércio tradicional?

Os comerciantes de Torres Novas andam muito preocupados com as medidas de austeridade do governo, porque estão a ver o seu futuro ameaçado, o que significa mais desemprego. Os homens da restauração já não sabem o que fazer para atrair clientes. Mesmo baixando os preços, as pessoas não aparecem. Os de índole familiar vão-se aguentando, mas todos aqueles que têm empregados, a aflição é ainda maior porque têm medo de perder empregados com uma carreira profissional exemplar. O dinheiro é cada vez menos e os reformados com reformas de miséria, deixaram de comprar os medicamentos por falta de dinheiro. Afinal de contas os nossos políticos só sabem falar dos direitos humanos nos outros países, mas esquecem que no seu País esses direitos estão a ser espezinhados por tudo o que é sítio. Passar fome, não tom ar medicamentos, que espécie de direitos são estes? É urgente que os nossos políticos que governam comprem espelhos que lhes mostrem a realidade com que vive o Povo português. Algumas lojas já fecharam portas e a continuar tudo na mesma até é possível que outros estabelecimentos não consigam suportar tantos impostos, até final do ano. As médias cidades, sem o seu comércio tradicional, mais parecem aldeias de dormitório de pessoas. Não existe vida social, as pessoas não saiem de casa, para não gastar. Como é possível nós pagarmos de IVA numa simples botija de gaz, cerca de 4,50 euros? Como é possível viver assim? A paciência do nosso Povo está a esgotar-se e tudo na vida tem limites para se aceitar tantos cortes. Em vez dos ordenados e reformas aumentarem de acordo com a inflação é precisamente o contrário que está a acontecer. As pessoas estão a deixar de comprar jornais, de beber a sua habitual bica e por aí fora, porque não têm dinheiro. Afinal de contas o que andamos nós cá a fazer para ter uma vida destas sem esperança de futuro? É bom que os responsáveis façam uma reflexão sobre o País que somos.

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *