Home > Sociedade > Entrevista ao Pe Ricardo Pinto

Entrevista ao Pe Ricardo Pinto

Já passaram dezasseis meses desde a nomeação do Padre Ricardo Pinto como Vigário Paroquial das Paróquias de Torres Novas em Outubro de 2010. Em Janeiro deste ano é também nomeado Capelão do Hospital Rainha Santa Isabel desta cidade. O Almonda conversou com o Padre Ricardo Pinto e ficou a conhecer a história da sua vocação, as expetativas que trazia ao assumir as suas primeiras paróquias e que missão é esta de ser o novo capelão do Hospital.

Jornal O Almonda: Como nasceu a vocação ao sacerdócio?

Padre Ricardo Pinto: Eu nasci no seio de uma família católica e é aí que estão as minhas raízes. Quem assumiu um papel importante no caminho da fé foi, de modo particular, a minha avó materna que tem hoje 90 anos e com quem aprendi a rezar e a procurar a vontade de Deus na minha vida. Neste caminho, muitos tiveram um papel importante de me questionar e interpelar acerca da vocação. Dizia-lhes claramente que não e estava decidido a estudar enfermagem. Entro para a universidade de Coimbra no ano de 2002 mas não podia esconder a mim mesmo que tinha ficado com o coração dividido e restava a pergunta: “E se eu um dia fosse padre?” Compreendi então que só experimentando o seminário e arriscando nessa busca eu poderia encontrar respostas. E assim começou esta aventura… Era um jovem de 18 anos, cheio de energia e muitos sonhos mas também com muitos medos. Bastou arriscar…e a prova disso é que hoje sou um jovem padre a dar os primeiros passos mas muito feliz e realizado. E de sorriso no rosto é este o testemunho que dou aos jovens que me rodeiam e em quem vou percebendo alguns sinais de vocação.

Célia Ramos

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

One thought on “Entrevista ao Pe Ricardo Pinto

  1. O padre Ricardo Pinto é alguém que tem o grande dom, de fazer chegar ao Povo de Deus, a grande Mensagem de Deus que ele assumiu
    no dia da sua Ordenação ministerial e sacerdotal e, que prova a educação que teve durante a sua infância e ligação a Deus. Dário Costa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *