Home > Sociedade > Terminaram as Festas do Almonda de 2011

Terminaram as Festas do Almonda de 2011

 

Se as “Festas do Almonda” de 2010 agradaram as de 2011 não vão deixar saudades. Não que fossem umas festas que, de forma geral, desagradassem, mas porque não tiveram um momento que ficasse registado na memória. Terminaram no domingo, dia 10, e delas não rezará a história, a não ser que nos lembremos das noites frias e desagradáveis. Que as próximas sejam melhores.

 

 

À partida já se tinha noção de que iriam ser umas festas mais “remediadas”, com menos nomes sonantes no cartaz. Apostou-se numa programação mais “baratinha” e procurou-se não comprometer a qualidade. Esse objectivo até terá sido atingido, mas as franjas de público a que se agradou, aliado às constantes noites desagradáveis, com muito vento à mistura, não fez com que estas fossem umas festas memoráveis. Não terão todas de ser, mas terá ficado em muitos o sentimento de alguma desilusão, pois nunca se sentiu um verdadeiro ambiente de festa.

 

Como manda a tradição em Torres Novas as festas encerraram no domingo com uma noite de Fado de Coimbra no rio Almonda e com o tradicional fogo de artifício ao soar da meia-noite. O fado, ao contrário do que é costume, não atraiu tanta gente como é habitual às margens do Almonda, onde este decorreu. Para isso terá concorrido as festas nas cidades vizinhas, especialmente em Tomar, onde um cantor de música popular, que tem por hábito encher pavilhões (Tony Carreira), terá actuado na mesma noite.

 

À meia-noite começou o espectáculo de fogo de artifício, mas, ao contrário de anos anteriores, houve alguém que se esqueceu de desligar as luzes do jardim, sendo estas apagadas apenas quando o espectáculo pirotécnico já ia a meio. A experiência visual melhorou muito depois de se apagarem as luzes. Findo o espectáculo, que até pareceu agradar ao grande número de pessoas que afluiu naquela noite ao Jardim das Rosas, Torres Novas disse adeus às festas e fica à espera de que as de 2012 tenham motivos para as tornar inesquecíveis.

 

Luís Miguel Lopes

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *