Home > Colaboradores > Joaquim Canais Rocha > A propósito da Feira de Março

A propósito da Feira de Março

Version:1.0 StartHTML:0000000167 EndHTML:0000003176 StartFragment:0000000454 EndFragment:0000003160 <!– @page { margin: 2cm } P { margin-bottom: 0.21cm } –>

Uma visita breve à Feira de Março, que praticamente só o nome lhe dá alguma vida, fez-nos recuar no tempo e relembrar o acontecimento social que era, a realização da Feira de Março no espaço hoje designado Largo das Forças Armadas. Que saudades dum tempo muito diferente do de hoje e apesar do tempo não voltar atrás, aconteceram coisas que nos marcaram na nossa juventude e que ao longo da nossa vida jamais esqueceremos. Apesar de sermos jovens e frequentar a escola primária, a chegada da Feira a Torres Novas era sempre um grande acontecimento para a então vila torrejana e respectivas aldeias, porque era obrigatório vir à Feira de Março.Para os mais pequenos, como nós, era o carrossel que nos mais entusiasmava e por outro lado era ver os animais selvagens que os circos traziam. O carrossel A Selva e o circo Mariano foram, ao longo de muitos anos, dois divertimentos que marcavam a Feira. Houve anos com dois carrosséis e dois circos. Um circo ficava na área perto da Escola de Polícia e o restante eram dezenas de barracas de quinquilharia, alinhadas umas às outras. A área junto do velho hospital, ficava o carrossel «A Selva», o Poço da Morte, o Comboio Fantasma e outros divertimentos para as crianças.As crianças do meu tempo nem sempre conseguiam que os Pais lhes dessem alguns escudos, para os divertimentos, para as barracas de jogos. Era um tempo difícil para as famílias com menos recursos, porque o que ganhavam, mal dava para comer e pagar as despesas diárias. Comprava-se muita coisa que ia para o rol, porque só quando o marido recebia é que se pagava. As mulheres ainda muito poucas trabalhavam. A igualdade não existia, porque a liberdade tinha outro significado para os governantes da época. Mas sempre se conseguia arranjar alguns escudos para andar no carrossel e ir ao circo, um espectáculo que nunca perdíamos quando era possível ir. Muita coisa se comprava na Feira de Março, porque o comércio local não tinha. Eram novidades que, por serem mais baratas, as famílias adquiriam.Hoje ao visitar a Feira, fez-nos recuar cinquenta anos atrás e observar o que muito mudou. Uma coisa é certa a Feira já não tem a dimensão da antiga feira e até se compreende porque as mentalidades mudaram e a sociedade deu um salto de gigante a caminho da sua modernização. As novas tecnologias deram ao homem uma nova ferramenta que lhe permite comunicar com outros povos.Na verdade o tempo não volta para trás, mas a saudade jamais desaparece das coisas boas que vivemos num tempo em que quase nada acontecia, a não ser a chegada da Feira de Março.

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *