Home > Sociedade > Em Torres Novas 14 mil sem médico de família

Em Torres Novas 14 mil sem médico de família

 

O Bloco de Esquerda (BE) realizou, no dia 7, uma reunião com o Agrupamento dos Centros de Saúde Serra d’Aire (ACDE), no centro de saúde de Torres Novas, para compreender as dificuldades por que este agrupamento tem passado e prevê passar no futuro. Esta reunião está inserida numa inicativa do BE para compreender “os problemas dos serviços e dos profissionais de saúde” através de um conjunto mais vasto de reuniões com vários agrupamentos. As informações recolhidas serão posteriormente discutidas nas jornadas parlamentares que se realizarão no distrito de Santarém.

 

O BE falou com a comunicação social após a reunião, tendo abordado alguns dos temas debatidos, assim como a sua preocupação para com as condições logísticas e de pessoal que o ACDE ultrapassa neste momento. “O problema mais sério deste agrupamento é precisamente ao nível das suas instalações, não estando previsto uma resolução para breve. (…) O problema logístico mais grave é o das viaturas, sendo um pouco bizarro que os centros de saúde possam fazer despesas avultadas com viaturas que já são muito velhas, não podendo comprar novas viaturas, mesmo que esta seja a opção mais racional do ponto de vista da gestão da despesa dos centros de saúde”, explica o deputado do BE, José Gusmão, que esteve presente na reunião.

 

“É preciso que haja mais investimento no serviço nacional de saúde”, continua o deputado, “mas também é preciso que não apliquem regras que são aplicadas como controlo de despesa, mas que na prática criam problemas que tornam ainda mais dispendiosas algumas das opções que os centros de saúde se vêem obrigados a tomar”.

 

Foi também apontada a preocupação relativamente à falta de profissionais de saúde, que o grupo de esquerda considera como “uma carência grave”. “Os números que nos foram avançados indicam que existem 14 mil pessoas em Torres Novas sem médico de família e que 14,3% dos utentes do ACES se encontram sem médico de família”. Segundo a informação disponibilizada, o único centro de saúde do agrupamento a funcionar com os profissionais de saúde necessários é o de Fátima.

 

João Rodrigues

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook