Home > Sociedade > Obras na Maria Lamas só para o segundo semestre de 2011

Obras na Maria Lamas só para o segundo semestre de 2011

p1_maria-lamas_grd

 

“O Almonda” teve acesso à comunicação do Ministério da Educação alicerçada no parecer técnico do LNEC (Laboratório Nacional de Engenharia Civil) sobre o “edifício D”, ou “bloco novo”, da Escola Maria Lamas. Diz esse estudo que a opção de manutenção do edifício novo, com o cumprimento de todas as recomendações efectuadas, «não acarretará uma efectiva ou significativa redução de custos» e que o arranque das obras não deverá acontecer antes do segundo semestre de 2011.

 

O estudo analisou o edifício em «vários domínios relevantes», como a segurança estrutural, a segurança ao incêndio, a caixilharia exterior e as instalações de ventilação e climatização. Conclui-se que apesar de ser de construção muito mais recente, uma vez que o bloco D foi construído em 2002, «apresenta um conjunto diversificado e significativo de anomalias construtivas e funcionais». Para além disso, na perspectiva da sua eventual requalificação, o edifício apresenta «condicionamentos arquitectónicos e de natureza estrutural» bem como «diversas insuficiências em termos de segurança ao incêndio». Destaca-se neste capítulo «a ocorrência de fendilhação em paredes de fachadas e interiores», manifestações de humidade «que degradam as condições ambientais dos espaços interiores e limitam a utilização de alguns deles».

 

Relativamente aos condicionamentos arquitectónicos são «mais difíceis de ultrapassar». A reduzida altura livre entre o piso e a laje do tecto (3,05m) nos dois pisos elevados do edifício, a qual, conjugada com a exigência de um pé-direito mínimo de 2,70m nos espaços de ensino pode limitar seriamente as soluções de ventilação mecânica. Relativamente aos condicionamentos estruturais, que resultam «de insuficiências graves que o edifício apresenta em termos de capacidade resistente das lajes de pavimento, dos pilares e das fundações, sobretudo sob a acção sísmica, a sua ultrapassagem no contexto de uma eventual requalificação do edifício passará por uma intervenção de reforço estrutural extensa e difícil». As insuficiências de segurança ao incêndio podem ser «ultrapassadas no contexto de uma eventual requalificação» sem necessidade «de obras de grande vulto» desde que se admita «que algumas disposições da actual legislação não sejam respeitadas e se adoptem medidas mitigadoras que permitam assegurar níveis de segurança equivalentes aos regulamentares».

 

A eventual requalificação ou a construção de um novo edifício terão custos semelhantes. «Aqueles custos serão da mesma ordem de grandeza e praticamente equivalentes». Ponderando estes aspectos é parecer do LNEC que a opção pela demolição e pela construção de um novo edifício é «aceitável» e que construído de raiz estaria «livre de constrangimentos que o corpo D apresenta». Mas apesar de ser «aceitável» a demolição do corpo D foi decidido pela Parque Escolar optar pela manutenção e requalificação do mesmo, abandonando a anterior opção de demolição integral do edifício. Nesta altura está a proceder-se à reformulação do projecto, respeitando as recomendações do LNEC. Esta reformulação dos projectos e o lançamento de procedimento público contratual não permitirá o início dos trabalhos na Escola Maria Lamas antes do segundo semestre de 2011.

 

Luís Miguel Lopes

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook