Home > Colaboradores > Joaquim Canais Rocha > Ainda haverá namorados?

Ainda haverá namorados?

Eis uma pergunta pertinente nos dias de hoje e que costuma ser colocada por quem já namorou – e continua hoje a namorar – apesar da idade ter avançado. É que o conceito de namoro de outros tempos mudou completamente. Natural, claro, porque houve uma evolução da mentalidade e dos costumes. Existe mais liberdade que nem sempre é compreendida por quem a pratica.

Porque só se pode utilizar a liberdade quando existe responsabilidade, o que infelizmente na prática nem sempre acontece. As pessoas têm, na verdade, liberdade, mas não é para fazer tudo aquilo que querem. Existem regras e deveres que não podem ser esquecidos. É a lei da vida…Se no passado o conceito de namorar obedecia a regras de boa educação e de civismo, nos dias que correm tudo ou quase tudo é permitido. O que nem sempre é aconselhável para os jovens que muito cedo começam a pensar que a vida é tudo facilidades, até no aspecto do namoro. E as consequências estão à vista. Os casamentos duram poucos anos e alguns meses, o que significa que uma boa parte dos jovens que se casam, não se conhecem e depois os problemas surgem com a maior das facilidades.

 

Vem tudo isto a propósito do Dia dos Namorados, que é uma forma de marketing para se venderem coisas, muitas sem qualquer significado. Nada temos contra o dia de S. Valentim e seria interessante que os namorados de hoje fizessem um esforço para viver a mensagem que lhes é transmitida, na comemoração do dia. Os tempos estão difíceis para o romantismo de outros tempos e onde os jovens e os menos jovens, faziam promessas de amor. Hoje descobrimos esse romantismo nos casais da terceira idade que, apesar da idade ter avançado, continuam enamorados um pelo outro. E isso acontece porque foram anos e anos de vida em comum e onde as tarefas foram sempre divididas por ambos.

 

Hoje como os tempos mudaram e as mentalidades tudo é muito diferente. Não se pode recuar no tempo, mas sim aceitá-lo como é e procurar viver esse tempo de acordo com os nossos sentimentos e emoções.

 

Esta breve reflexão pretendeu somente analisar os comportamentos de ontem e de hoje. Enquanto numa época era quase tudo proibido, nesta actual é quase tudo permitido. Ora sempre defendemos que o meio termo é a coisa mais acertada. Em tudo na vida é necessário existir um equilíbrio de valores e comportamentos. Sem isso estamos a um passo da anarquia e da libertinagem. Uma sociedade responsável não abdica de valores fundamentais, como é o respeito.

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *