Home > Sociedade > Terça-Feira é dia de mercado

Terça-Feira é dia de mercado

p1_mercado_grd 

Não deixa de ser curiosa e interessante uma visita à terça-feira ao mercado de Torres Novas. Não para fazer compras. Apenas para estar de ouvidos e olhos bem abertos e ouvir aqui e ali os desabafos de quem faz esta vida há décadas.

 

O agente da PSP apita para mandar parar o trânsito compacto e deixar passar os peões na passadeira. Os automobilistas tentam fazer acrobacias para se despacharem do caos da terça-feira nesta zona, acrescentado pelo condicionamento a que o trânsito está sujeito derivado às obras do Almonda Parque.

 

Francisco Braçais apreciava o cenário e perante a abordagem d’ “O Almonda” afirmava: “Torres Novas evoluiu muito. Já não se compara com, o que era na década de setenta, quando para cá vim. O problema é que há situações graves por resolver. O estacionamento… Não temos estacionamento na cidade. Claro que em dia de mercado isto aqui se torna caótico, mas o pior é se uma ambulância ou os bombeiros se precisam de sair numa emergência, agora com a agravante das obras aqui do novo parque de estacionamento, o doente acaba por morrer antes de chegar ao hospital.”

 

Na espera para atravessar a passadeira, Filomena Inocêncio desabafava, ainda a propósito das obras do Almonda Parque, “o estacionamento está um caos. Mudaram a Praça de Táxis para o outro lado, nós moradores não temos onde estacionar! E para vir à Praça, que só venho de vez em quando, só a pé. Gosto mais de comprar no mercado do que nas grandes superfícies comerciais. Aqui os legumes são melhores, concluiu ao apito do agente da autoridade que dava ordem para avançar.

 

Joaquim Lourenço esperava sentado pela esposa. (As mulheres demoram sempre mais um pouco”. A vinda a Torres Novas à terça-feira já é um hábito. “Venho buscar os haveres para comer e pouco mais. E venho distrair a cabeça. Sempre se sai de casa”

 

A Maria da Conceição, sentada ao lado de Joaquim acrescentou, “aqui fazemos as compras mais em conta, e tenho mais confiança nas hortaliças, que vêm mesmo das hortas dos feirantes”.

 

Célia Ramos

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook