Home > Dança > Festival Materiais Diversos: Artes performativas de dimensão internacional

Festival Materiais Diversos: Artes performativas de dimensão internacional

 

Durante onze dias, a apresentação de mais de 15 projectos culturais, em cinco espaços localizados em Minde, Alcanena e Torres Novas, é uma expectativa, e em simultâneo a promessa de um projecto ousado e completamente inédito na região do Médio Tejo. O Festival de Materiais Diversos, que se realizará de 19 a 29 de Novembro, sob a Direcção Artística do coreógrafo Tiago Guedes, onde se fundem a dança, o teatro, a música e a performance.

 

“A iniciativa parte da necessidade em oferecer às populações fora dos grandes centros urbanos a possibilidade de usufruir de uma oferta cultural vibrante. Investir na cultura, significa não só contribuir para a melhoria das condições de vida das populações, como também dar a descobrir a Cultura. A Cultura contemporânea portuguesa e internacional.”

 

Apresentações internacionais, na sua maioria estreias a nível nacional

Assim sendo, no respeita a espectáculos internacionais, o festival vai contar com artistas da Hungria, a coreógrafa e bailarina húngara Eszter Salamon, da Alemanha virá Raimund Hoghe, que trabalhou como dramaturgo com Pina Bausch durante dez anos, e tem uma interessante carreira individual, do Reino Unido, chegará a dupla britânica composta pelo bailarino Jonathan Burrows e pelo músico Matteo Fargion e por fim, co-directora do suíço Théâtre de l”Usine, Karine Décorbe, e o músico do País de Gales Simon Proffitt. De referir que à excepção da peça Both Sitting Duet de Burrows e Fargion (no dia 28 de Novembro, em Minde) que é uma repetição, uma vez que já esteve no Festival Alcântara há dois anos, os outros três espectáculos são estreias nacionais.

 

Dia 21 de Novembro, o Teatro Virgínia recebe o único espectáculo deste Festival com apresentação em Torres Novas: “L”Après-midi, um solo para Emmanuel Eggermont, de Hoghe, que se baseia no poema de Mallarmé que inspirou Debussy a criar uma obra sinfónica. Nijinski fez uma interpretação lendária e esse clássico da história da dança é agora reinterpretado. Os restantes espectáculos serão apresentados em Alcanena (sete) e em Minde (oito).

 

Célia Ramos

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook