Home > Colaboradores > Joaquim Canais Rocha > Os Pombos e a Saúde Pública

Os Pombos e a Saúde Pública

 

O Centro Histórico da Cidade está repleta de Pombos vadios, sem eira nem beira. Foram vários já os torrejanos que nos chamaram a atenção para este fenómeno e que tende a agravar-se, cada ano que passa, dado a sua multiplicação.

 

Estas aves, pode dizer-se, que existem em muitas cidades do País e nalgumas é até proibido dar de comer a estes pombos. Para lá de ser um aspecto a ter em conta, a nível de saúde pública – já ouvimos pessoas a queixarem-se é também um elemento muito negativo a nível de património. Para lá de fazerem ninho nas casas abandonadas, por exemplo a antiga casa onde funcionou no rés- do-chão a Farmácia Lima, do saudoso Dr. Pontes, parece que é um ninho de pombos. Eles fazem ninho em qualquer lado, mais nas casas abandonadas. Os condomínios queixam-se da sujidade que os pombos fazem, nas suas residências. Por exemplo na moderna Praça Cinco de Outubro, no grande edifício do Banco, por vezes as pessoas são atingidas com porcaria dos pombos, quando se dirigem para levantar dinheiro no multibanco.

 

Temos consciência que é um problema nada fácil de resolver, porque não se pretende que as aves sejam abatidas. Mas que sejam deslocadas para outras paragens, onde não incomodem as pessoas. A nível do Património, os moradores recuperam a sua moradia, dando uma nova pintura de conservação. Mas logo aparecem os Pombos a sujar tudo. Temos agora o exemplo da recuperação da Igreja do Salvador, com novo telhado e com o relógio a dar horas. Mas logo que as obras terminem, não leva muito tempo que os Pombos descubram mais um novo espaço para estarem.

 

Não se pode, de um momento para o outro, acabar com os pombos. Mas o não fazer-se nada, significa que cada ano que passar vamos ter mais algumas centenas de Pombos a circular e a voar pela Cidade.

 

Temos conhecimento que várias autarquias do País – Santarém, Torres Vedras, etc. – encontraram formas simples de eliminar estes pombos, recolhendo-os e levando-os para outros espaços. A nossa Câmara, particularmente os serviços de Saúde, deviam de inteirar-se junto de outros municípios a forma de acabar com tantos pombos.

 

Nada temos contra estas aves, que até são simpáticas, todavia não podemos deixar que a nossa saúde possa sair prejudicada e que o nosso belo Património seja constantemente sujo por estas aves. Cabe aos nossos autarcas encontrar as melhores soluções.

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *