Home > Sociedade > Festas do Almonda com “casa” cheia até ao fim

Festas do Almonda com “casa” cheia até ao fim

 

Terminou mais uma edição das Festas do Almonda. Ao longo dez dias, de 3 a 12 de Julho, o Jardim das Rosas encheu-se de sonoridades vindas de vários pontos do globo, e encheu-se sobretudo de muitas, muitas pessoas. Desde o primeiro dia, em que o público ocupava todo o relvado frente ao palco principal para assistir ao festival de folclore de Torres Novas, até à última noite de festa, em que Tereza Salgueiro teve “casa completamente cheia” a assistir ao seu concerto.

 

Tereza Salgueiro, João Gil e Tito Paris

 

A começar pelo fim, um concerto concebido como uma viagem em que o público foi transportado pela voz inigualável de Tereza Salgueiro, acompanhada por um elenco excepcional de músicos, em que foi apresentado o percurso musical de “Matriz”, numa viagem pela música antiga, popular e tradicional do país, não esquecendo o Fado e a música portuguesa contemporânea. Tereza Salgueiro surpreendeu o público que em grande parte ainda a associa aos Madredeus, não deixando no entanto de encantar os presentes.

 

João Gil e Tito Paris unem dois continentes em palco

 

Nas sexta-feira anterior, 10 de Julho, outra noite com “lotação esgotada”, no concerto de João Gil que teve em palco dois importantes convidados, Shout, um grupo de gospel e a Tito Paris, ícone da música cabo-verdiana. Duas presenças a juntarem ao longo percurso, de 35 anos de carreira do compositor e músico que já pisou o palco com as maiores vozes e músicos do país.

 

Música para todos os gostos

 

O programa musical teve o condão de abranger todos os gostos musicais, com o folclore, música étnica, da típica “canção portuguesa” aos modernos grupos de rock.

 

A “Canção Portuguesa” fez-se representar por Paulo de Carvalho que anda em tournée a promover o seu último álbum, “DoAmor”. Na sua passagem por Torres Novas, na quarta-feira, dia 8, encontrou um público que mostrou ser conhecedor das suas músicas e que o procurou acompanhar o cantor, conforme o artista incitava à participação do público. Foi um Paulo de Carvalho interventivo e nada acabado, a quem a idade deixou a sua marca no corpo mas não na voz.

 

Célia Ramos e Luís Miguel Lopes

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *