Home > Sociedade > Procissão dos Padroeiros Encontro de Igreja e de comunhão fraterna

Procissão dos Padroeiros Encontro de Igreja e de comunhão fraterna

 

Centenas de pessoas participaram na Missa e Procissão dos Padroeiros das quatro Paróquias da cidade. A eucaristia presidida pelo pároco, Pe. Carlos Ramos e celebrada na parada da Escola Prática de Polícia, foi animada pelos grupos corais das diversas igrejas da paróquia e participada por grande número de fieis. Os Escuteiros e as Guias deram igualmente o seu contributo.

À entrada da Escola dois elementos do Rancho Folclórico de Torres Novas distribuíam pagelas com uma imagem de S. Paulo e uma oração no verso, no dia em que a Igreja assinala S. Pedro e S. Paulo e em que foi encerrado o Ano Paulino. No Evangelho proclamado nesta Eucaristia, Jesus perguntava aos apóstolos: “Quem dizem os homens que é o Filho do Homem?”. O pároco lançou a mesma pergunta à Assembleia: “Se Jesus hoje se aproximasse de nós e fizesse a mesma pergunta “o que lhe diríamos, hoje?” Teremos resposta para esta pergunta? Teremos tempo, hoje, para falar da nossa fé, de Jesus Cristo, dos Evangelhos, das Cartas de S. Paulo? Nós que nos dizemos católicos, damos tempo à fé? Será que aqueles com quem nós convivemos reconhecem, pela nossa forma de estar, a presença do divino?

 

E com esta interrogação sucederam-se outras questões actuais com as quais os presentes foram levados a reflectir sob a sua condição de Cristãos “- Como organizamos o nosso Domingo? A Missa faz parte dessa gestão? Como gerimos nós o tempo que o Senhor nos concede? – como vivemos com o nosso dinheiro, com a realidade material? Temos um coração aberto à partilha ou só às nossas comodidades? Como partilhamos os bens materiais? – arranjamos tempo para a nossa família e acompanhamento dos filhos? Como vivemos em família? – como Cristãos, que tempo damos à evangelização? É preciso dar tempo aos outros: à comunidade, na área social, à liturgia, à catequese.”, continuou.

 

Em relação ao Ano Paulino, que terminou neste dia, o Pe. Carlos deixou a pergunta: “Será que crescemos como cidade, como aldeia, como comunidade na partilha? Este apóstolo deixou-nos um legado de cartas que nos ajudam a interpretar a vida, vale a pena lê-las. Torna-nos mais capazes de tomar opções mais conforme Jesus Cristo.” Foram ainda lembrados os problemas que a nossa sociedade enfrenta actualmente. “É preciso que Deus ilumine os responsáveis do governo para ultrapassarem a crise, encontrarem caminhos para uma melhor educação, saúde, segurança e emprego.”

 

No final da homilia o Padre Carlos Ramos agradeceu o acolhimento por parte da Escola Prática de Polícia, a todos os homens e mulheres que ali trabalham e ao seu assistente, Padre Fanha; aos amigos da GNR; desejo de melhoras do Sr. Presidente da Junta de Freguesia de Sta. Maria; a todas as colectividades e associações da cidade e aldeias; enfim, a todos os que colaboraram nesta cerimónia.

 

Célia Ramos e Carla Morais

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook