Home > Crónicas > O planeta já não espera mais

O planeta já não espera mais

Recentemente ficou-se a saber que em cada minuto que passa um camião despeja no mar largas toneladas de lixo plástico. Porque o planeta não pode esperar mais, há que tomar medidas urgentes e eficazes para cortar cerce a estupidez de tudo se atirar para onde dá jeito, onde quer que estejamos, livremo-nos, isso sim, do que já não tem interesse.

Tudo tem de começar em cada cidadão, diariamente, na separação dos lixos nos ecopontos, agora com nova sinalética para os 308 municípios e já disponível em 65% do território nacional, com o objetivo de harmonizar a melhoria e o aumento dos valores das matérias recicláveis. As cores são então verde, para depositar vidro, a cor amarela, para plástico e metal, e a cor azul para papel e cartão. Cada contentor terá um esclarecimento sobre o que se pode ou não depositar nele. Está a chegar o ecoponto castanho para o lixo orgânico, cuja utilização permite produzir energia e aproveitar o composto. Ele já é utilizado em restaurantes e na indústria e vai agora estar acessível aos cidadãos. Com esta medida, Portugal quer ser pioneiro na sinalética dos ecopontos para todo o país.

Ora, acontece que se encontram plásticos até em locais onde não há gente, pelo que abundam nas redes sociais imensas fotografias a denunciarem esta pecha (falha moral), de se achar que o que se atira vai molestar o outro e a nós não.

No que se refere às priscas, pontas de cigarro, elas devem ser apagadas e postas no lixo, porque têm plástico que não se desfaz e vão também parar ao mar. As multas não vão resolver nada, são completamente ineficazes.

Quanto a documentários específicos, no tocante a dejetos de cães, são mostrados passeios cheios que demonstram o que os donos dos animais não devem fazer. É que há quem goste de passear os animais, alheando-se das inerentes responsabilidades.

Relativamente aos óleos dos fritos de cozinha têm, há muito, contentores para serem depositados, os oleões, talvez precisemos de os utilizar mais, se não, o mar será mais uma vez o destinatário.

 

 

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook