Home > editorial > Editorial

Editorial

Férias! Palavra que desperta um sentimento de libertação e de alívio, pois significa um corte com a rotina diária, com o habitual cumprimento de horários e de tarefas, às vezes a fuga para novos horizontes. Estamos em pleno período em que muitos portugueses gozam o seu direito a férias. E assim deixam por uns tempos a sua morada e vão para lugares diferentes do dia a dia, seja na praia ou no campo, seja em Portugal ou no estrangeiro. É preciso é mudar, encontrar o mar que lave a vida habitual, uma esplanada onde se marca encontro com a tranquilidade de fim de tarde, um livro que nos liberte e nos leve a um reencontro connosco, às vezes o regresso à aldeia, lá no interior, longe do bulício da cidade, com esta sensação de que é bom regressar a casa. Talvez os mais novos pensem que este direito generalizado a ter férias existiu desde sempre. Pois estão fora da realidade. As fé- rias tornaram-se um direito para os trabalhadores em geral apenas nas últimas décadas do século passado, após a revolução de Abril. Antes só uma minoria tinha direito a este “andar por aí”. Uns deambulam, senhores do tempo, libertos da escola, da oficina ou da repartição, longe do olhar do chefe, outros procuram o “paraíso” em novas paragens. Certo é que, por estes dias a cidade fica mais vazia. É preciso aproveitar este tempo de recuperação das forças e do sossego perdido e não regressar de férias a precisar de férias, como tantas vezes acontece.

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook