Home > Ana Madureira > Ensino Profissional e exames nacionais

Ensino Profissional e exames nacionais

Este tema tem gerado alguma controvérsia junto da opinião pública. Mas tem que haver mais vozes pelo ensino profissional. O ensino profissional é muito exigente. Os alunos são preparados para o mercado do trabalho e para a vida adulta. Há quem discorde e ainda existe algum preconceito. Infelizmente. Fui aluna no ensino vulgarmente chamado de regular. Sempre fui boa aluna e quando terminei o 9° ano procurei uma solução no profissional. Mas na época não existiam cursos na área que me interessava, a Comunicação. Quis o destino que acabasse por dar formação em várias entidades. Fui formadora, coordenadora de cursos, mentora de projetos e orientadora de estágios na Escola Profissional Gustave Eiffel do Entroncamento. Foram anos em que senti na pele a exigência do ensino profissional. Como em tudo na vida, no final a natureza, neste caso o mercado de trabalho, encarrega-se de selecionar os melhores diplomados. E os melhores eram sempre aqueles que se empenhavam ao longo do curso. Conheci alunos que dormiam pouco. Que se levantavam todos os dias antes das 6h e que chegavam a casa pelas 22h. Mas esta parte… Esta parte poucos conhecem. Assim como só quem conhece o ensino profissional consegue perceber a fundo a dedicação dos professores e formadores. E Direções. E empresas que acolhem os estagiários. Por isso, antes de julgarem o todo pela parte ou a parte pelo todo, informem-se e percebam realmente o que está em causa e como vão ser avaliados estes alunos. Avaliar competências é muito difícil. E duro. E mais! Sabiam que até há poucos anos os programas de Português e outras disciplinas eram diferentes para estes alunos? E que na hora dos exames nacionais a matéria era a mesma para todos? Alguns dizem que quem vem do profissional não devia seguir o ensino superior. Recuso-me a aceitar esta teoria. Conheci alunos do profissional que se prepararam para os exames e pouco dormiram. E tiveram excelentes notas. E enquanto estudavam para os exames tinham que desenvolver projetos (PAP), fazer estágios (Formação em Contexto de Trabalho) e outras coisas. Por isso, apelo à contenção nas palavras antes de julgarem pela metade aquilo que é um todo. Não julguem aquilo que não conhecem. Porque como em tudo na vida, existem os bons e os menos bons. Porque há sempre os que se esforçam e os que não querem saber. Sou pelo ensino profissional e serei sempre.

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *