Home > Crónicas > Mães de um só filho ou filha

Mães de um só filho ou filha

Num tempo longínquo muitos casais tinham muitos filhos. Era raro encontrar-se filhos únicos. As famílias eram enormes e em dias de festas como o Natal, a Páscoa as mesas estavam cheias de sorrisos, de conversas e alegrias. Todos se criavam com ou menos regalias. Viviam da agricultura. Eram educados na moral e nos bons costumes como mandava a tradição. Atualmente assistiu-se a um decréscimo da natalidade em grande número. Dois ou três filhos basta pois não há tempo para grandes paragens. Quando existem problemas na escola o irmão mais velho defende o mais novo e a saga continua. Quando os filhos pedem presentes exorbitantes os pais terão de organizar uma lista e comprarem produtos mais em conta para distribuírem pelos seus filhos. E quando um casal apenas tem um filho(a) que tantas vezes é molestado na rua, na escola, só porque usa óculos ou coxeia um pouco ou tem uma deficiência motora? Estas crianças indefesas tornam-se solitárias e criam um mundo onde elas não são culpadas de nada. São apenas crianças na mais pura essência. E crescem tornando-se adultos, mas nunca esquecem o quanto foram humilhadas e vaiadas na infância. E o papel dos pais é protegerem o seu primogénito. E mesmo na idade adulta a mãe terá sempre um papel relevante na sua vida. O amor é só para ele. Ele será sempre mimado. No entanto há que ter atenção e não darem tudo o que ele pede. Pois estão a criar-lhe vícios e maus hábitos. Um filho único não pode ser “aprisionado”. Ele tem de andar na rua, saltar poças de água, subir às árvores, cair, levantar-se e continuar a caminhar. Sou filha única. E orgulho-me do pai que tive e da mãe que tenho. Ensinaram-se a não ser egoísta, a respeitar, a ser solidária e a ajudar. Nunca me senti aquela filha única que fazia birras para ter o que queria; sempre fui maria-rapaz que corria no meio da lama sem medo de sujar a roupa. Fui e serei sempre a sua menina, mas a minha mãe será sempre o meu pilar e a mulher que pode sempre contar comigo e vice-versa. Escrevi esta crónica no domingo dia 5 de Maio dia da mãe.

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook