Home > Crónicas > Caminhos Cristalinos

Caminhos Cristalinos

Ao longo da nossa existência vivemos tão concentrados no nosso habitual dia a dia que esquecemos de nos conhecer um pouco melhor e ir à descoberta de novas experiências. Andamos na rua com os olhos postos no chão e infelizmente não nos damos ao privilégio de contemplar por exemplo uma andorinha a fazer o ninho num beiral. Fazemos as mesmas coisas como autómatos. Perdemos a capacidade de exercitar a nossa mente para exteriorizar os nossos sentimentos. Guardamos tudo dentro da nossa concha e torna-se difícil aceitar o outro lado da vida. Aquele lado que nos transporta para outro mundo transcendental, onde pudemos fechar os olhos e meditar. Todos os problemas ficam lá fora e recebemos energia positiva e força para combater o mal. E esse mal está espalhado na multidão que caminha ao nosso lado.
Abrimos o nosso coração a estas atividades que nos proporcionam bem-estar. E nos dias 6 e 7 deste mês tivemos a oportunidade de participar na 1ª Feira Alternativa em Torres Novas, que teve lugar na Praça do Peixe. Quem por lá passou sentiu esse ambiente de paz e leveza. Ninguém é obrigado a acreditar no lançamento das cartas tarot ou na leitura das mãos, mas não podemos juntar todos no mesmo leque. Nem todos são charlatões. Como há pessoas que nascem com um dom de escrever, ou dançar, também há pessoas que nascem com dons especiais que nos podem guiar espiritualmente. Tudo é possível. No entanto ainda há pouca abertura e aceitação por parte dos mais conservadores. Adiante. Nesta feira havia uma série de palestras, atividades paras as crianças, massagens, yoga, alimentação saudável entre outras coisas interessantes.
O tempo também não ajudou, mas foi muito gratificante para mim participar. Porque me encontrei comigo mesma. Senti uma paz interior enorme. Conheci pessoas fantásticas e solidárias que me emprestaram uma mesa e me trouxeram a casa com a minha tralha. Trocamos contactos e esperamos que a equipa da Paula Praia nos contacte para outra feira deste género. Como dizia uma senhora que levou os seus talegos (sacos) de pano com várias cores: “– Não vendi muito, mas o mais importante foi estar ocupada e conviver com todos vós.” Tem toda a razão. São estes os caminhos cristalinos que conseguimos encontrar quando descobrimos a luz que nos guia. Até á próxima feira meus queridos “vizinhos” amigos.

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *