Home > Crónicas > A perfeição é uma ilusão

A perfeição é uma ilusão

Há uns anos uma amiga disse-me que a irmã estava grávida, mas o médico informou-a que a criança poderia nascer com trissomia 21, por isso iria abortar. Fiquei indignada com a sua decisão. Após vários exames descobriram que o bebé não tinha nenhum problema. O aborto já não se fez. No entanto refleti na questão delicada e não consigo compreender qual a razão que leva uma mãe a tirar a vida a um inocente só porque ele não vai nascer perfeito? Será que tudo o que nasce imperfeito se joga no lixo? Um dia um pai perguntou no local onde eu trabalhava quanto é que era o estrago que o filho fez. Ora o estrago era o que ele comia ao longo do ano. O seu filho era paraplégico e era assim tratado, com desprendimento, como se fosse uma coisa sem importância. E quando existe numa turma crianças de outras etnias e são excluídos das festas de aniversário dos outros meninos e meninas cujos pais se julgam superiores? Não os convidam porque andam sujos, os pais roubam ou estão presos. Porque será que a criança terá de pagar cruelmente pelos erros dos adultos? Atualmente entregam diplomas aos melhores alunos. Muito bem. Estudaram para isso. Os pais vão para as redes sociais partilhar o mérito dos filhos clamando que são excelentes, trabalhadores, concentrados, ambiciosos. Que merecem uma viagem ao topo do mundo. E aqueles que não conseguiram subir ao pódio? Serão mais fracos? E se esses filhos tão gloriosos um dia tirarem notas negativas como é normal? Também haverá publicidade extrema? Ou fecham-nos em casa durante as férias e obrigam-nos a estudar para os esconderem da sociedade de aparência? Para onde estamos a caminhar? Para onde esta obsessão de atingir a perfeição nos está a levar? Que mundo tão pequenino é este que aplaude os génios e enxovalha os inteligentes sem dinheiro? Por favor a perfeição não existe e ainda bem. Seria uma anarquia viver num planeta perfeito. Seria um abismo. Não tentem criar robots brilhantes. Aceitem a imperfeição. Enriqueçam com ela. Se virem uma pessoa com deficiência não digam coitadinho (a), nem olhem para ele com uma pena que revolta os mais atentos. Aprendam a aceitar a diferença e não a rejeitá-la. Tudo isto é só para vos dizer que no dia 3 de dezembro celebrou-se o dia da pessoa com deficiência. E um assunto puxa outros não menos importantes.

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *