Home > Vida Interior > Um mês propício à espiritualidade

Um mês propício à espiritualidade

O mês de Novembro, na tradição do cristianismo popular, é designado como o mês dos Santos ou mês das Almas ou, ainda, o mês de Santo André. Realmente inicia com a solenidade de Todos os Santos e a comemoração dos fiéis defuntos e conclui no dia 30 com festa do apóstolo Santo André. É realmente um mês propício à espiritualidade, favorecida também pelo tempo frio e chuvoso e pelas noites mais longas que nos convidam ao recolhimento e à vida interior. Será enriquecedor dedicar mais tempo à meditação, à leitura, ao convívio com familiares e amigos. Assim podemos progredir na espiritualidade, no humanismo e na solidariedade. Estas celebrações e o próprio ambiente do outono ajudam-nos a tomar consciência da nossa realidade de peregrinos e da meta da nossa peregrinação. Meditar no sentido da vida e no significado da morte é fonte de sabedoria pois nos leva a cultivar a esperança e a aproximarmo-nos de Cristo, referência da nossa vida: “caminhai no amor a exemplo de Cristo que nos amou e se entregou por nós” (Ef 5,2). Deus gravou em nós a sua imagem, comunicou-nos o Seu sopro de vida, deu-nos o Seu Espírito. Trazemos no nosso íntimo a memória de Deus, o apelo do bem e da verdade. Deus amou-nos e quis que fôssemos semelhantes a Ele. A grandeza da pessoa é ser semelhante a Deus. À medida que nos aproximamos de Deus renovamos em nós a Sua imagem e dispormo-nos a amar os outros. Para progredirmos no caminho do Senhor temos uma oportuna e preciosa ajuda: a Exortação Apostólica do Papa Francisco “Exultate Et Gaudete” (Alegrai-vos e Exultai, GE). É uma chamada à santidade nos tempos atuais, de leitura fácil e muito proveitosa. Concretiza a santidade na vida ordinária, acessível a todo o povo de Deus, vivida por muita gente que nos rodeia: a santidade dos trabalhadores que se sacrificam para ganhar o pão, a santidade dos pais que se dedicam generosamente a cuidar dos filhos, a santidade dos idosos e doentes que continuam a viver com esperança e a sorrir. É a santidade de “ao pé da porta”, ao alcance de todos os cristãos. O caminho da santidade está associado à alegria e louvor. O santo vive com alegria e sentido de humor (GE 122). Tem uma visão positiva da vida e dos outros. Sem deixar de ver o mal, acredita que tudo pode mudar pois crê na ressurreição, na vida nova e no mundo novo que vai germinando no interior da criação. Não é a alegria barulhenta dos divertimentos mas a alegria serena e interior da fé e do encontro com a luz e amizade de Cristo. O pecado tem muita força e está muito espalhado. Mas é a santidade que eleva o mundo e nos faz acreditar na bondade de Deus e dos homens. Deus convida-nos e guia-nos nesse caminho.

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *