Home > Teresa Tapadas > Meia-noite

Meia-noite

Há dias que nos desgastam! Aliás, todos os dias nos desgastam um bocadinho desde a hora em que nascemos. Mas o que quis verdadeiramente dizer foi que, há dias que nos desgastam mais que outros! Hoje foi um desses dias. E o desgaste maior de todos, é que estes dias parecem ainda mais longos do que os outros. Não é justo. E ainda digo mais… Não é justo.

A agenda prevista foi cumprida (para além de ter sido também ela comprida!) o melhor possível… porque nestas coisas de consultas de rotinas com a mamã em Hospitais públicos há que ir sem pressas e de preferência com o farnel aviado. O médico para meu enorme espanto, foi meu colega de escola durante o secundário na Escola Maria Lamas.

Não lhe reconheci os sobrenomes pois, sempre o tratamos pelo sobrenome usado pelos pais no negócio de família que tinham, mas que, muito provavelmente nem o tem no seu cartão de cidadão. Sempre foi um rapaz de uma educação e simpatia extrema e felizmente assim continua. E penso… Que bom! É que a brincar, a brincar passaram-se 23 anos. Mas … Mas, agora é tempo de ir fazer óó. Não me levem a mal, mas hoje ficamo-nos mesmo por aqui que já é praticamente meia-noite e eu não quero virar abóbora! Ainda para mais nesta época em que a malta mais jovem se pre- para para festejar o dia das Bruxas! TUDO ISTO EXISTE, TUDO ISTO É TRISTE (vivó carnaval fora de época!) TUDO ISTO SÃO COISAS e CENAS & CENAS e COISAS.

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *