Home > editorial > Novo Acordo para a Loja do Cidadão de Torres Novas

Novo Acordo para a Loja do Cidadão de Torres Novas

(E seu nome será Immanuel, disse um anjo à sua mãe. Immanuel quer dizer Deus connosco, ou simplesmente, “um de nós”. E num instante, voltamos a ser iguais. Não adultos ou adulterados, mas crianças autênticas. Não soberbos, mas pacíficos. Não rígidos, mas tolerantes. Não ricos, mas iguais. Não truculentos, mas fortes. Não prisioneiros de nossas conquistas. Não reclusos nos nossos afazeres. Não impenetráveis nas nossas muralhas. Não indiferentes. Mas, apenas nós). (E se nós, pessoas comuns, saíssemos das fortalezas da nossa medíocre quotidianidade e quais pastorinhos na noite de Ourém, olhássemos para a vastidão do Universo que se estende sobre a terra. E se contemplássemos a lua, as estrelas e o infinito do céu que orna com singelo azul marinho, a noite do céu. E se como estrelas brilhassem os nossos olhos. Como brilha a delicada melodia dos astros, piscando sobre a escuridão do firmamento. E se admirássemos a noite com a simplicidade das crianças. E, com tal simplicidade, observássemos mais que as aparên- cias e víssemos a profundidade de todas as coisas. Enxergaríamos, certamente, no mistério da simplicidade, a significância das pessoas. Nós mesmos. Nossa vocação). (Deus tendo à sua direita a pura verdade e à sua esquerda a sempre móvel aspiração à verdade, perguntou ao homem simples qual das duas ele preferiria: O simples, com sabedoria, lançando-se humildemente de joelhos à esquerda de Deus, mesmo com o acréscimo de poder errar eternamente, disse: “Deus, dá-me a aspiração à verdade. A verdade pura e absoluta está reservada somente para Ti”).

Durval Baranowske, diretor

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *