Home > Colaboradores > Madalena Monge > Falha técnica ou humana?

Falha técnica ou humana?

Na semana passada alguém telefonou para o Centro de Saúde e ninguém atendeu. Soubemos que os telefones estavam avariados. Mas que “boa“ notícia. Fiquei tão con- tente que desloquei-me até lá para resolver um assunto pen- dente. Questionei o seguran- ça por causa da avaria. Res- pondeu-me que a situação se mantinha há 15 dias até aque- la parte. Fantástico. Q ueria saber o nome da diretora do centro para lhe dar os para- béns por tamanha malvadez. Mas tive azar. Ora vejam lá que nem o segurança e nem a funcionária no balcão onde estava sabiam o nome da dita senhora. Restou-me deixar umas palavras amistosas no livro amarelo, que depois ia ser entregue na secretaria. E como santos da casa não costumam fazer milagres eu resolvi expor o caso aqui nes- te jornal. E porque o faço? Porque é uma injustiça e in- concebível um serviço público ter os telefones avariados há tantos dias. Este não é um caso isolado, já aconteceram outras vezes. Quem gere ou tem po- deres de chefia neste lugar deveria respeitar os utentes que devido a este incidente grave terão de se deslocar até ali, gastando dinheiro em via- gens e em cansaço. Quando este artigo sair talvez o assunto já esteja resolvido. Seria muito bom.
Nas redes sociais o Torreshopping está sempre a organizar atividades para as crianças. Acho muito bem, mas como eu sou uma idiota sempre com ideias sugiro o seguinte: Por- que não organizam um con- curso de aventuras de caça ao fantasma do centro comercial? Ofereçam 3 prémios aos três primeiros lugares e pequenas lembranças para os restantes participantes. Podem ter a certeza que seria um sucesso.
E para terminar tudo isto e muito mais se podia resolver se houvesse vontade e bons profissionais para repararem as linhas telefónicas do centro de saúde da cidade do Almonda. E também a quem gere o centro comercial deveria bai- xar as rendas mensais dos estabelecimentos. É um roubo tanto para o comerciante como para o comprador. Torres Novas não é uma capital de distrito e nunca poderá pagar valores exorbitantes para terem ali uma loja. Por isso alguns corredores estão vazios de gente e vitrinas cheias de produtos. Obter lucros não se faz com ganância mas sim com organização e honestidade.

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *