Home > Colaboradores > Carlos Borges Simão > Desorientação a mais

Desorientação a mais

Quase todos os dias leio, nos jornais, notícias, abaixo-assinados, verdades insofismáveis e o seu contrário sobre Portugal agora e nos gloriosos tempos dos “Descobrimentos”. Escrevo entre aspas “Descobrimentos” porque só a palavra exaspera não só alguns bem pensantes da nossa praça como agora um abaixo-assinado de individualidades das nossas antigas “colónias” que pensam da História de Portugal a vergonha das vergonhas. Tudo o que aprendemos sobre as navegações dos Portugueses, sobre o contacto com os outros povos, sobre as rotas marítimas e sobre o lugar que elas tiveram no mundo, nada têm de heroico, nada têm valor porque só roubamos, só conquistamos, só escravizamos, enfim, somos o povo que mais mal fez desde o século XIV. Então que fizemos nós que outros povos não fizessem e com muito mais despudor, com muito mais desvergonha? Cada um tem direito a ter a sua opinião mas quando se amachuca um povo cujo comportamento em épocas passadas não se distingue muito dos outros povos europeus, sinto-me ofendido. Os holandeses seguiram no nosso encalço e aproveitaram o caminho aberto para nos roubarem. Seguiram-se os ingleses cuja rainha condecorou o maior pirata do século XVI e cujos colonos na América do Norte dizimaram os índios, roubando-lhes as terras. Então, onde estão os critérios para afirmarem que uns são maus e outros são bons? De facto nós somos portugueses desde o século XII, temos as mesmas fronteiras desde o século XIII. Não é preciso pensar muito para que cada habitante deste retângulo se sinta bem português o que não acontece por toda a Europa retalhada por nações cujas fronteiras são muito recentes. Os senhores do abaixo-assinado, ao contrário dos turistas que nos visitam, parece que se sentem mal neste Portugal que desdenham. Dou-lhes um conselho:”se não se sentem bem, mudem de poiso”. Sei que têm direito à sua opinião mas ao menos estudem História e não queiram julgar o Portugal de hoje com a mentalidade do século XIV ou XV. É evidente que os negros, apesar de escravos, tiveram o seu papel na construção do nosso colonialismo e sobre isso temos muito que falar. Mas isto só por si não justifica que a ação dos portugueses seja aquilo que o abaixo-assinado diz. Tantos negros que já estão integrados na nossa sociedade, não sentem que são portugueses? Como diz a cantiga do Zeca Afonso: “seja bem-vindo quem vier por bem”.

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *