Home > Ana Madureira > Das incongruências da Imagem

Das incongruências da Imagem

Embora se comece a valorizar cada vez mais a importância da Imagem e da exposição pública, as organizações ainda cometem alguns erros que poderiam ser evitados facilmente. A Comunicação Estratégica não é uma área de senso comum. Tem técnicas e práticas próprias. E embora as pessoas gostem sempre de dar o seu aval e a sua opinião (quem não percebe da área, baseia- -se no senso comum), há que considerar que esta área, como qualquer outra, é para quem percebe dela. Se um cartaz tem tons amarelos, o designer não o decidiu por acaso. Se as letras podiam ser maio- res e não estão maiores, por alguma coisa assim é.

Se um texto tem uma vírgula mais à frente ou mais atrás, é porque quem o escreveu sabia que a vírgula tinha que estar em determinado local. Não imaginam os erros de casting que vão existindo por causa de alguns pedidos de alterações… Quem presta o serviço deve sempre sensibilizar o cliente para o ponto de vista técnico. Explicar bem as suas decisões. Se mesmo assim o cliente insistir, e a ação ou campanha tiver outras leituras, pelo menos o cliente foi alertado. Alguns conselhos básicos e práticos:

1. Um cartaz deve comunicar o essencial. Não o encham de informação;
2. As fotos e imagens que comunicam devem ter qualidade. E ser de autor (senão são, verificar as normas de utilização relativamente aos créditos);

3. Cuidado com erros ortográficos. Podem ter a melhor empresa do mundo. Mas erros ortográficos transmitem um ar amador e de desmazelo; 4. Saber utilizar o Facebook, Instagram e outras redes sociais não significa saber gerir redes sociais. Acredito que com o tempo as coisas vão mudando e que as organizações vão valorizar cada vez mais os profissionais de Comunicação, Relações Públicas e Imagem. E nunca se esqueçam de que o barato sai caro…

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *