Home > Destaques > Na Feira de Época viveu-se a história

Na Feira de Época viveu-se a história

Deixou saudades e critica social

Dia da Criança vivido na Feira de Época

No Dia da Criança, dia 1 de junho, os alunos das Escolas do Ensino Básico e dos Jardins de Infância de todo o concelho de Torres Novas comemoraram vestindo-se como membros da nobreza, do clero e do povo, participando num desfile da Feira de Época.

Baile dos Petizes

Todos os anos na Feira de Época se procura apresentar algumas inovações, foi explicado a “O Almonda. Este ano essa inovação surgiu com o “Baile dos Petizes”, de maneira a incluir mais as crianças na festa.

Voluntários do Postigo da Traição

Este ano espreitámos a caracterização dos voluntários do Postigo da Traição. Há todo um cuidado em tornar as personagens da “ralé”, que envolvem meretrizes e desvalidos, que tanto atraíram o público durante o tempo em que a Feira de Época decorreu, à semelhança das edições anteriores. “O Postigo da Traição” é já um clás- sico nas diferentes edições da Feira.

Pedro Ferreira classifica a edição de 2018 como «uma grande Feira»

A edição de 2018 da Feira de Época de Torres Novas deixou o Presidente da Câmara, Pedro Ferreira, satisfeito. «Foi uma grande Feira. Foi espetacular», disse a “O Almonda”. O autarca de Torres Novas não poupa elogios à organização, lembrando que todas as feiras anteriores foram boas, porém esta «foi particularmente melhor». Além de contar com os voluntários habituais, que ao fim de 8 edições já se encontravam mais bem preparados, que fizeram «um papel extraordinário, quase profissional», também as empresas de animação ligadas à temática «vão melhorando a cada ano» e Torres Novas colheu esses benefícios.

A visão do Mestre

Mais uma! É a nona, sem interrupções… Mas o que é que a cidade ganha com este evento?

Ler mais na edição impressa…

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *